Se a Áustria tem Mozart, nós temos Vianna da Motta. Aos 5 anos, o pequeno- grande José já compunha, revelando pistas sólidas sobre o que seria uma carreira dedicada à música. Era o início da produção de um génio precoce, que estagiou com Franz Liszt, foi protegido do rei Fernando II e da condessa de Edla, deu mais de mil concertos em todo o mundo e compôs até ao final do primeiro terço do século XX. Três fases criativas marcam a produção de José Vianna da Motta (1868-1948) e é precisamente sobre a primeira que o pianista João Costa Ferreira lança agora nova luz, convidando a ilustradora Mariana, a miserável a ajudar o público a viajar na música do compositor português.