Para alguém que está longe de ser fã do género, entrar numa experiência descrita como “o terror dentro do terror” é levar ao limite a exploração do próprio medo, descobrindo coragem onde não se sabia que existia.