Idealizada para acolher apenas alunos do ciclo preparatório (atual 2º ciclo), a escola da Maceira, hoje Escola Básica e Secundária Henrique Sommer, abriu portas a 8 de novembro de 1985, com quase 400 alunos.

Criado para dar resposta aos alunos residentes na freguesia e aliviar a pressão registada nas escolas da zona urbana da cidade, o estabelecimento acabou por abrir também turmas do 7º ano de escolaridade. Nestes 35 anos, alargou a sua oferta formativa ao ensino secundário e formação de adultos, e conta hoje com cerca de 600 alunos. Já o agrupamento, de que é escola sede, concentra cerca de 1.100.

Professor da escola da Maceira há 32 anos e diretor há 29, Jorge Bajouco confessa que esta não é a festa que estava a ser organizada para assinalar o progresso do estabelecimento.

E embora reconheça que o caminho nem sempre foi fácil, não tem dúvidas de que o último ano foi de longe o mais difícil.

“Já passamos aqui muitas situações, mas este é o momento mais difícil porque estamos cheios de dúvidas. O que temos mais presente é a dúvida”, acrescenta. Um desafio que a escola procura superar todos os dias.

Ainda assim, o aniversário foi assinalado esta segunda-feira, de forma simbólica, com os membros da direção e representantes do conselho geral, da associação de pais, pessoal não docente, alunos e Câmara de Leiria.

A efeméride foi perpetuada com o descerramento de uma fotografia, em tamanho “gigante”, captada em fevereiro do ano passado por Joaquim Dâmaso, fotojornalista do REGIÃO DE LEIRIA, quando a escola se destacou no ranking nacional pelos resultados obtidos. Uma imagem que retrata a capacidade de mobilização e envolvimento de toda a comunidade escolar.

Retrato da comunidade escolar que figura em destaque em dois espaços da escola

Na segunda-feira, decorreu ainda a eleição para o Conselho Geral – órgão representativo da comunidade, sendo duas as listas candidatas. A data não foi escolhida por acaso e, “com todos os cuidados”, visou demonstrar “que a pandemia não pode bloquear a nossa vida”, destacou Jorge Bajouca.

Um sonho com mais de 45 anos

A concretização do projeto da escola da Maceira demorou anos. Já em 1975 se procurava um terreno para a escola. Segundo Jorge Bajouco, “houve muitas dificuldades” e foram avaliadas várias alternativas até ter sido selecionado o local atual, próximo da fábrica CMP – Cimentos Maceira E Pataias. “Uma oportunidade para a escola, porque pudemos crescer e valorizar as nossas atividades”, frisa.

A construção da Escola Preparatória de Maceira-Lis foi iniciada em 1980. Em fase de conclusão, foi transformada em C+S, com capacidade para 12 turmas, e abriu portas com 393 alunos dos 5º, 6º e 7º anos. Em 1999, a Escola Básica dos 2º/3º Ciclos com Secundária de Maceira passa a escola-sede do Agrupamento de Escolas de Maceira.

Em 2007, passa a ser Escola Básica e Secundária de Maceira, e, em 2012, o agrupamento é rebatizado com o nome de Henrique Sommer.