Assinar Edições Digitais


Figueiró dos Vinhos

IMI desce para taxa mínima em Figueiró dos Vinhos

Executivo decidiu redução da taxa para 0,3%, “o valor mais baixo de sempre e o mínimo legal permitido”.

A Câmara de Figueiró dos Vinhos, no distrito de Leiria, vai reduzir o Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) em 2021 para a taxa mínima, anunciou o município.

Uma nota de imprensa da autarquia refere que foi deliberado, em reunião de câmara, e sob proposta do presidente, “uma nova descida no valor do IMI para 0,30%, atingindo, desta forma, o valor mais baixo de sempre e o mínimo legal permitido”.

“É de realçar que desde 2014, o IMI tem vindo gradualmente a baixar, traduzindo-se numa poupança considerável para os contribuintes detentores de imóveis, e numa redução muito significativa da carga fiscal”, lê-se na mesma nota.

Na sessão de câmara, “foi aprovada, também, a redução do IMI Familiar (deduções de 20, 40 e 70 euros para agregados familiares com um, dois e três ou mais dependentes a cargo, respetivamente”.

“No que concerne à taxa de IRS em 2021, volta a baixar para os 4%”, adianta o município, explicando que o valor para o próximo ano “na prática significa uma devolução aos figueiroenses de 20% da taxa de participação variável do IRS”.

“Nesta mesma reunião, foi deliberado isentar de derrama todas as empresas, como forma de incentivo e apoio ao tecido empresarial instalado, bem como para a promoção de captação de futuros investimentos”, informa a autarquia.

Para a câmara, a redução destes impostos “constitui um apoio significativo às famílias e às empresas”.

À agência Lusa, o presidente da câmara, Jorge Abreu, explicou que quando o executivo socialista chegou ao município, em 2014, “começou a baixar gradualmente o IMI”.

“O IMI estava em 0,4% e a câmara estava a braços com um plano de saneamento financeiro. Durante nove anos pagámos o saneamento financeiro e o IMI foi descendo gradualmente, porque precisávamos de receitas também para pagar o plano herdado pelo PSD”, justificou Jorge Abreu.

De acordo com o autarca, “desde 2014, com a descida gradual do IMI, o município deixou de arrecadar cerca de 170 mil euros”.