Assinar
Porto de Mós

“Nova” avenida pode ser porta de entrada dos expressos em Porto de Mós

Será uma via que acabará por possibilitar a ligação da zona central da vila ao exterior, sem atravessar o núcleo urbano.

A vila de Porto de Mós poderá vir a contar com uma “nova” avenida, vizinha de um interface rodoviário, albergue para transportes públicos, entre eles a rede Expresso, há anos afastada da sede de concelho.

É uma mudança a prazo, mas que os responsáveis municipais confiam que se possa começar a desenhar em breve. Ao REGIÃO DE LEIRIA, Jorge Vala, presidente da Câmara de Porto de Mós, adianta que legalmente a autarquia está vinculada à necessidade de inscrever, no seu orçamento, projetos num horizonte de vários anos.

A “nova” avenida, é um deles. Com ela, deverá surgir um novo local de ligação às redes de transportes públicos. A avenida Eng. Adelino Reis dos Santos, já existe, mas atualmente não tem saída. O plano prevê desbravar terreno até a zona de Rio Alcaide, nas proximidades do posto de abastecimento da Repsol.

E assim surgirá uma “nova” avenida na vila. Será uma via que acabará por possibilitar a ligação da zona central da vila ao exterior, sem atravessar o núcleo urbano, situação essencial para permitir o regresso dos autocarros da rede Expressos.

“A nossa ambição é trazer a rede expressos até Porto de Mós”, refere Jorge Vala. O interface rodoviário está planeado para a vizinhança da escola secundária. Deverá facilitar o acesso à escola, aos transportes públicos, centralizando a rede Vamós e outras ligações a concelhos vizinhos, vaticina o autarca.

O crescimento da avenida “tem implicação com privados. Temos um estudo feito que viabiliza a possibilidade de um loteamento para construção de habitação”, refere Jorge Vala, que admite que a intenção dos privados em construir no local pode acelerar a ampliação efetiva da avenida.

Apoie o REGIÃO DE LEIRIA

Se chegou até aqui é porque este é um texto que lhe interessa. Por detrás dele há uma equipa e um conjunto de recursos que custam dinheiro e que, para continuarem a existir, precisam da sua ajuda. Gostávamos de lhe explicar como.