Assinar
Batalha

Passadiços na ponte podem chegar este ano mas na Magueixa terão de esperar

Passadiço deverá ligar a zona da antiga linha do caminho de ferro à parte superior da ponte da Boutaca e permitir o acesso ao vizinho centro de interpretação.

Aprovado há seis meses, o orçamento da Câmara da Batalha previa a criação, ainda este ano, de passadiços no Reguengo do Fetal e na zona da Ponte da Boutaca.

Afinal, vai mesmo haver passadiço ou foi apenas uma promessa que não passou disso ?

Na zona da ponte da Boutaca, o passadiço ainda é uma possibilidade este ano. Um passadiço irá ligar a zona da antiga linha do caminho de ferro à parte superior da ponte da Boutaca e permitir o acesso ao vizinho Centro da Primeira Posição do Exército Português na Batalha de Aljubarrota.

Paulo Batista Santos, presidente do município, avança que o projeto tem aguardado pela luz verde da Direção Geral do Património Cultural, mas essa é uma fase do processo que está ultrapassada. A estrutura será um complemento ao percurso pedonal que permite aceder da zona do Mosteiro ao centro de interpretação, que tem estado encerrado.

O autarca revela que têm sido mantidos contactos com a Fundação Batalha de Aljubarrota, dona do centro de interpretação, visando a reabertura do equipamento. Isso deverá implicar um maior envolvimento da autarquia, através de um protocolo de colaboração que garanta a reabertura de portas já durante este verão.

Mais distante está a concretização dos “Passadiços da Magueixa”, no Reguengo do Fetal. O autarca adianta estar a ser trabalhada uma candidatura, no valor de 60.500 euros, que aponta para a criação de sinalética e delimitação dos percursos pedestres, só depois se seguindo os passadiços.

Paulo Batista Santos aponta que neste caso, há ainda por conciliar algumas questões com o Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) e com alguns terrenos baldios abrangidos pelo projeto.

Apoie o REGIÃO DE LEIRIA

Se chegou até aqui é porque este é um texto que lhe interessa. Por detrás dele há uma equipa e um conjunto de recursos que custam dinheiro e que, para continuarem a existir, precisam da sua ajuda. Gostávamos de lhe explicar como.