Assinar
Cultura

Festival Literário do Interior arranca na quinta-feira em Pedrógão Grande

Este festival, que vai na 4ª edição, tem como patrono o Presidente da República e conta com parceria de vários congéneres internacionais.

O Festival Literário Internacional do Interior (FLII) arranca na quinta-feira e dinamiza dezenas de iniciativas por sete concelhos da região Centro, homenageando nesta edição os escritores Manuel Alegre, Maria Teresa Horta e Carlos de Oliveira.

O festival, que decorre de 17 a 20 de junho, mas com iniciativas que precedem e sucedem essas datas, vai realizar-se em Pedrógão Grande, Arganil, Condeixa-a-Nova, Lousã, Miranda do Corvo, Pampilhosa da Serra e Tábua, afirmou hoje a coordenadora do FLII – Palavras de Fogo, Ana Filomena Amaral, na sessão de apresentação que realizou-se na sede da Associação das Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande (AVIPG).

A quarta edição do certame tem como subtema “Literatura, cidadania e liberdade”, homenageando os escritores Manuel Alegre, Maria Teresa Horta e Carlos de Oliveira.

“Achamos que este ano é a prova de que vamos poder continuar a existir, porque quem sobrevive dois anos a uma pandemia sobrevive a tudo o resto”, salientou Ana Filomena Amaral, referindo que todos os eventos serão presenciais, seguindo as regras sanitárias devido à covid-19, havendo ainda algumas sessões que terão também transmissão digital.

Este ano, o festival conta com Ricardo Fonseca da Mota, de Tábua, como escritor residente do evento.

A sessão inaugural do festival vai decorrer em Pedrógão Grande, seguindo-se uma palestra de Paula Mourão, intitulada “Manuel Alegre – Canto, cidadania”.

Exposições, apresentação de livros, debates, momentos musicais e leituras em ambiente escolar são algumas das propostas do festival.

Durante a conferência de imprensa, Ana Filomena Amaral notou que, apesar de pedidos de apoio junto do Governo, a Arte-Via Cooperativa (que tem sede na Lousã que promove o festival) não recebeu “qualquer resposta de nenhum organismo estatal”.

“Num ano em que tanto querem garantir cultura, não tivemos sequer resposta das entidades estatais”, criticou, salientando, no entanto, que o interior “já tem uma aprendizagem muito grande” e que não será a falta dos apoios que faça com que o festival desista.

Apresentação do Festival Literário Internacional do Interior
Festival Literário Internacional do Interior foi apresentado na sede da Associação das Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande (AVIPG), presidida por Dina Duarte (à direita) Foto: AVIPG

A vice-presidente da Câmara de Arganil, Paula Dinis, realçou que o seu município abraçou a causa desde o início e que tem feito “um esforço grande” para levar o festival ao seu território, numa iniciativa que procura “chamar as pessoas aos livros e à reflexão”.

Também a vice-presidente da Câmara de Condeixa-a-Nova, realçou a importância de aproximar a literatura não apenas junto dos estudantes mas de toda a comunidade no geral.

“Faz todo o sentido trazer o mundo a estas regiões, onde infelizmente, muitas vezes, o acesso a exposições, música e conversas com autores não existe”, referiu a coordenadora interconcelhia da Rede de Bibliotecas Escolares, Lucília Santos.

Já a presidente da AVIPG, Dina Duarte, realçou que “nem todas as autarquias têm o sentido de Estado de garantir que a cultura seja acessível aos seus”, frisando a importância de promover a cultura em territórios como o de Pedrógão Grande.

O programa do festival está disponível para consulta em www.palavrasdefogo.pt.

Recorde-se que o festival tem como patrono o Presidente da República e para este ano, o festival conta já com a parceria de vários congéneres internacionais: Fraktura (Croácia), FLIPoços (Brasil), Galway Literary Festival (Irlanda), Vilenica International Literary Festival (Eslovénia), Book Worm (China) e Festival de Poesia de Chepén Chepén (Peru), entre outros.

Com Lusa

Apoie o REGIÃO DE LEIRIA

Se chegou até aqui é porque este é um texto que lhe interessa. Por detrás dele há uma equipa e um conjunto de recursos que custam dinheiro e que, para continuarem a existir, precisam da sua ajuda. Gostávamos de lhe explicar como.