Assinar
Saúde

Politécnico de Leiria lança manual interativo com exercícios físicos para pessoas com cancro

O guia está disponível online e propõe um conjunto de 12 exercícios físicos, que podem ser realizados em casa com apoio de vídeos explicativos

Se, no passado, os doentes oncológicos “eram frequentemente aconselhados pelos seus médicos a reduzir as suas atividades físicas e a permanecer em repouso tanto quanto possível, devido a receio de agravamento dos sintomas do cancro ou descompensação de outras doenças crónicas associadas, como por exemplo arritmias ou insuficiência cardíaca”, a evidência científica tem comprovado que a prática de exercício físico durante e após o tratamento oncológico pode ser benéfica para os doentes com cancro.

Vários estudos revelam que “a prática de exercício físico não só é segura e possível durante o tratamento do cancro, como também pode melhorar o desempenho físico e a qualidade de vida do doente oncológico”, além de ajudar “a reduzir o risco de aparecimento de outros cancros e ajudar no controlo de outras doenças associadas como as doenças cardiovasculares ou diabetes mellitus”.

A constatação é de Cristina Pissarro, diretora do Serviço de Oncologia do Centro Hospitalar de Leiria, e serve de introdução ao “OncoEnergy: Manual de exercício físico para pessoas com cancro”, que o Politécnico de Leiria lançou em maio passado.

Manual disponível online

Desenvolvido por Pedro Machado, bolseiro de doutoramento do Centro de Inovação em Tecnologias e Cuidados de Saúde (ciTechCare) do IPLeiria, o manual, disponível online, destaca o contributo do exercício físico para a redução dos efeitos dos tratamentos oncológicos, como a fadiga (cansaço), dor articular e muscular, alterações de humor, stress, ansiedade e depressão, e risco de doenças cardiovasculares, como também para a melhoria da saúde óssea e da qualidade do sono e para a prevenção da sarcopenia (perda de massa muscular e de força).

O guia de 40 páginas, que se encontra disponível online, propõe ainda um conjunto de 12 exercícios físicos, que têm “evidência científica” nos benefícios que trazem às pessoas que sofrem deste tipo de patologia e que podem ser feitos em casa.

O guia apresenta e descreve ainda 12 exercícios que podem ser realizados em casa

A prática de exercício físico pode ainda ajudar a reduzir o risco de reaparecimento de alguns tipos de cancro e reduzir o risco de doenças cardiovasculares, sustenta o autor, que contou com a colaboração de estudantes, docentes e investigadores do ciTechCare.

“Nos últimos dez anos, o número de ensaios clínicos sobre exercício em oncologia cresceu de forma exponencial. Sabe-se que o exercício físico, mesmo de baixa intensidade, como a caminhada ou outro tipo de programas de exercícios, tem benefício em vários problemas ligados aos efeitos secundários da terapêutica oncológica”, como a fadiga, salientou Pedro Machado em declarações a Lusa.

“Por que é que o exercício é importante?”, “Exercício físico depois do diagnóstico de cancro”, “Efeitos secundários que precisam de cuidados adicionais” ou “Exercício pode aliviar os efeitos secundários mais comuns” são algumas das temáticas abordadas no manual, que explica ainda a diferença entre exercícios aeróbios e de força e partilha testemunhos inspirados.

O guia integra ainda QR Codes, através dos quais pacientes e cuidadores podem aceder a vídeos educativos e exercícios.

Apoie o REGIÃO DE LEIRIA

Se chegou até aqui é porque este é um texto que lhe interessa. Por detrás dele há uma equipa e um conjunto de recursos que custam dinheiro e que, para continuarem a existir, precisam da sua ajuda. Gostávamos de lhe explicar como.