Hugo Menino Aguiar, presidente da Associação Fazer Avançarmail@hugomeninoaguiar.com
Hugo Menino Aguiar, presidente da Associação Fazer Avançar mail@hugomeninoaguiar.com

O SPEAK, criado em Leiria por cidadãos portugueses e de origem estrangeira residentes na cidade, parece funcionar. Os resultados da medição de impacto social são animadores e, por exemplo, num período de quatro meses, os participantes imigrantes do SPEAK Leiria aumentaram, em média, 15% a sensação de pertença à cidade onde vivem. Outro exemplo interessante é o facto da sensação de existência de uma barreira linguística, entre participantes de origem portuguesa e de origem estrangeira, diminuir em 30% no mesmo período de tempo. Também há indicadores que precisam ser medidos de futuro para perceber com mais certezas que impacto o projeto está a ter mas, por agora, os testemunhos de mudança são relevantes e os números mostram impacto.

Como escalar o projeto para outras geografias? Não é fácil. Sempre nos focámos na sistematização e na tecnologia para que, caso o projeto funcionasse, fosse mais fácil crescer para outras cidades. Foi isso que permitiu arrancar nas Caldas da Rainha, em fevereiro deste ano, sem nunca nenhum elemento do SPEAK Leiria ter tido uma reunião presencial com a equipa que abriu o SPEAK Caldas.

O projeto continua a ter muitos processos e ainda não é ágil o suficiente para que a implementação seja simples. No entanto, com a resposta social e o modelo de negócio validado, importa perceber se funciona numa escala um pouco maior. Assim, demos um passo em frente e levámos o SPEAK para Coimbra e Lisboa.

O conceito de intercâmbio de línguas e culturas que foi criado em Leiria para aproximar pessoas, integrar imigrantes nas cidades onde vivem, combater a exclusão sociocultural e promover a diversidade cultural, vai, assim, ser “exportado” para mais cidades do país. Leiria é a sede do SPEAK e sem cada um de vocês isto não teria funcionado. Agora é mais um esforço.. é sempre assim não é? Per­mitam-se ter orgulho do projeto e ajudem, se puderem, a passar a palavra.

O desafio é grande mas, com dedicação, talvez consigamos fazer com que o SPEAK continue a crescer e a ajudar pessoas. Quiçá, contribuir para uma sociedade que valoriza a diferença.
Vamos lá!

(texto publicado na edição de 25 de setembro de 2014)