Assinar Edições Digitais

Partilhando: Um serviço público de excelência

Não é fácil, seis horas depois de um parto, ver o nosso filho picado, entubado, ventilado, enfiado dentro de uma “nave espacial”.

Cristina Barros, professora do IPL e presidente da Incubadora D. Dinis cristinabarros.rl@gmail.com

Há serviços públicos em Leiria e em prol dos nossos filhos onde as perguntas não ficam sem resposta, onde nos sentimos abraçados e acarinhados, onde a excelência profissional impera e onde a esperança é a palavra de ordem. Foi assim que me senti nos 11 dias que passei com o meu filho recém-nascido, em novembro de 2012, na UCEP (Unidade de Cuidados Especiais Pediátricos) do Hospital de Santo André (HSA) de Leiria.

No dia 3 de novembro de 2013 dei entrada no serviço de obstetrícia do HSA, com 36 semanas de gravidez e com claros sinais de parto. Eram 12h40 quando me colocaram nos braços o meu terceiro amor eterno e os olhos enchem-se de lágrimas de alegria. Assim que possível coloquei o meu príncipe ao peito, mas a enfermeira apercebeu-se que o bebé estava a ficar roxo e levou-o de imediato para a pediatria, para ser observado. Sou informada pela médica que o meu príncipe está bem, só que precisa de ser incubado para se habituar “a respirar cá fora”. Fiquei sem reação e só as lágrimas, que agora eram de apreensão, me escorriam pela cara. Fui para a obstetrícia e ele para a UCEP.

Quando entrei nesta unidade pela primeira vez assustei-me, é claro. Não é fácil, seis horas depois de um parto, ver o nosso filho picado, entubado, ventilado, etc, enfiado dentro de uma “nave espacial”. Apesar do impacto inicial ser complicado, a verdade é que depois de passar toda a avalanche emocional, aperce­bemo-nos da humanidade, da dedicação, do profissionalismo e excelência do UCEP e do apoio que presta aos pais. O hospital tem ao nosso dispor um conjunto de facilidades que fazem toda a diferença e são fundamentais, tais como a sala de amamentação, os quartos para as mães que amamentam e pretendem estar perto dos seus filhos, a oferta de todas as refeições e o acesso 24 horas ao serviço. Somos igualmente chamados a participar nas dinâmicas que contam a história da evolução do nosso filho e sempre que existe alguma dúvida esta é esclarecida por uma equipa médica e de enfermagem sempre disponível. Todos os detalhes estão pensados para o bebé e para os seus pais. Persistem na memória todos os momentos e um dos mais marcantes foi a visita dos músicos da SAMP- Sociedade Artística Musical dos Pousos, quando um dia estava a amamentar.

A toda a equipa da UCEP do Hospital de Santo André o meu eterno agradecimento e um bem-hajam.

(texto publicado a 14 de marco de 2013)