O antigo bombeiro suspeito da prática de um crime de incêndio florestal cometido na tarde de domingo em Alvaiázere vai aguardar julgamento em prisão preventiva.

O arguido, de 31 anos, foi presente esta tarde ao juiz de instrução criminal do Tribunal Judicial de Alvaiázere, que determinou a medida de coação mais gravosa.

Num comunicado, a Diretoria do Centro da Polícia Judiciária (PJ) revelou que o suspeito, eletricista, usou “um cigarro envolto em fósforos que acendeu e atirou para um terreno florestal, sem outra motivação aparente que não a de causar um grande incêndio”.

Fonte da PJ adiantou que o suspeito, sem antecedentes criminais, é de Santo Tirso, corporação onde foi bombeiro, e trabalha numa empresa de instalação de torres eólicas, motivo pelo qual se encontrava em Alvaiázere.

“Ele foi visto por populares que, depois, nos deram alguns elementos que permitiram a sua identificação”, explicou esta fonte.