A Biblioteca Municipal de Figueiró dos Vinhos recebe hoje o certificado de associada da UNESCO, “uma distinção que enche o concelho de orgulho e a liga a uma elite mundial”, disse à Lusa o presidente da Câmara.

“São apenas seis em Portugal e cerca de 500 em todo o mundo as bibliotecas que possuem esta distinção”, salientou Rui Silva, explicando que valoriza “o trabalho notável que tem sido realizado no âmbito da recuperação, conservação e divulgação histórica e cultural de Figueiró dos Vinhos”.

O autarca salienta que a distinção é de uma grande importância para um concelho do interior do distrito de Leiria, “muitas vezes mediatizado apenas pelos incêndios ou pelo despovoamento”.

O principal objetivo da Rede de Bibliotecas Associadas da UNESCO é encorajar as bibliotecas a desenvolver atividades nos domínios da UNESCO, como a promoção dos direitos humanos e da paz, do diálogo inter cultural, da proteção do ambiente ou da luta contra a iliteracia.

Em Portugal, atualmente, apenas fazem parte desta Rede as bibliotecas de Alcochete, Beja, Guimarães, Porto, Torres Novas e Olhão.

A Biblioteca Municipal Simões de Almeida (tio) é também uma das poucas bibliotecas portuguesas que desde 2010 integra a Europeana, uma biblioteca digital, que conta com livros, mapas, gravações, fotografias, documentos de arquivo, pinturas e filmes do acervo de diversas e instituições culturais, entre as quais estão bibliotecas, arquivos e museus dos 27 Estados-Membros da União Europeia.

A certificação pela UNESCO da biblioteca, que assinala a 28 de outubro uma década de existência, confere-lhe “notoriedade e reconhecimento e prova que no interior do país trabalha-se com qualidade o domínio imaterial, já que o tempo das obras físicas já lá vai”, defende Rui Silva.

A Biblioteca Municipal fornece diversos serviços locais, desde o apoio às bibliotecas escolares do concelho, serviço de informação à comunidade – que passa, por exemplo, por disponibilizar o documento integral assinado com a troika -, animação de leitura, atividades culturais e um programa de formação intermunicipal.

Simões de Almeida (tio), escultor que dá o nome à biblioteca, nasceu em Figueiró dos Vinhos em 1844, foi o primeiro bolseiro de escultura da Academia de Belas-Artes de Lisboa a estudar no estrangeiro e foi professor de Desenho e de Escultura na Escola de Belas-Artes de Lisboa durante 31 anos.

Lusa