Assinar Edições Digitais
Cultura

4ª edição do “Couseiro” em subscrição antecipada até 18 de Novembro

Um livro fundamental para a história de Leiria vai ser reeditado. A 4ª edição do “Couseiro” é lançada a 10 de Dezembro e, tal como a original, está disponível com desconto para quem a encomendar antecipadamente.

“Para os snrs. assignantes”, em 1898, a 2ª edição custava 500 reis; avulso era 650 reis. Com a inflacção dos 113 anos passados, a 4ª edição do “Couseiro ou Memórias do Bispado de Leiria” vai ser vendida a 25 euros. E tal como no século XIX, a subscrição antecipada garante desconto: o livro custará 20 euros a quem o encomendar até 18 de Novembro.

É a forma de Ricardo Charters d’Azevedo e a editora Textiverso assinalarem um lançamento histórico. Há muito esgotado, o “Couseiro” é um documento precioso para quem se interessa pela história de Leiria, “escrito em 1500 e muito, continuado em 1680 e anotado em 1790 e 1860”, frisa Charters d’Azevedo.

O impulsionador desta publicação – uma transcrição da 2ª edição, de 1898 -, descreve-a como “maior e muito mais interessante e diferente das outras”, a original, de 1868 e a terceira, d’“O Mensageiro”, em 1988.

Com lançamento marcado para 10 de Dezembro, a 4ª edição do “Couseiro” ajuda a perceber como era a vida em Leiria e arredores.

“Lê-se muito bem o que se passava”, nota Ricardo Charters d’Azevedo, a propósito do manuscrito, que chegou até nós através “da cópia, da cópia, da cópia…”. E o que se passava então, passava pela Igreja e pelas igrejas.

“O livro conta a vida dos bispos, das obras que realizavam e tudo o que era importante naquele tempo. E o que era importante? As igrejas”.

Era lá que os padres davam as notícias. “Ao domingo, as pessoas vinham a pé ou de burrinho a Leiria, para o mercado. Às 11 horas havia missa, que era em Latim e as pessoas não percebiam”. Respeitavam a celebração, mas aproveitavam para combinar negócios e outros assuntos.

A homilia, conta Charters d’Azevedo, era o único noticiário da época. “O padre contava que o rei tinha tido um filho, que tinha havido um incêndio” ou, até, “que o boi da Tia Maria estava pronto para ir às vacas de quem quisesse!”.

No final, no adro da igreja “combinava-se o arranque do dente com o ferreiro, tratamentos com sanguessugas… Tudo acontecia domingo, até às 2 da tarde”.

O “Couseiro” conta isto e muitas outras coisas. É por isso um livro importante e sem paralelo, até noutros pontos do país. “Se existiam outros do género, ou não são tão completos ou não chegaram até nós”.

Um livro fundamental para a história de Leiria

Documento fundamental para quem estuda a história de Leiria, o “Couseiro” continua envolto em mistério: quem é o autor?

Charters d’Azevedo já escreveu um livro sobre o assunto, onde apresenta a sua teoria em torno da autoria. Agora empreende a 4ª edição do “Couseiro”, de 500 páginas, tipografia melhorada e informação extensa sobre a segunda metade do século XIX.

Os interessados podem encomendá-la até 18 de Novembro por e-mail (textiverso@sapo.pt) ou por correio, para a editora Textiverso (Rua António Augusto da Costa, n.º 4, Leiria Gare, 2415-398 Leiria – Portugal).

ML

(corrigida a data limite para subscrição, alargada até 18 de Novembro)