Assinar Edições Digitais
Sociedade

Associação cívica de Leiria quer promover cidadania e ajudar à boa governação

A promoção da cidadania e a ajuda aos que têm poder de decisão para que “governem bem”, são as prioridades da Associação para o Desenvolvimento de Leiria (ADLEI) para os próximos dois anos.

A promoção da cidadania e a ajuda aos que têm poder de decisão para que “governem bem”, são as prioridades da Associação para o Desenvolvimento de Leiria (ADLEI) para os próximos dois anos.

“Temos de contribuir para alcançar objetivos justos e consistentes com a melhoria de vida” e, ao mesmo tempo, “promover a participação cívica num momento difícil em que todos precisamos de trabalhar em conjunto”, disse à agência Lusa José Charters Monteiro, que foi eleito presidente da ADLEI na noite de segunda-feira.

O arquiteto foi eleito para um mandato de dois anos, sucedendo a Anabela Graça, que passa a ocupar o cargo de presidente da Assembleia-Geral da ADLEI.

Natural de Porto de Mós, o arquiteto foi coordenador geral e responsável pela equipa técnica do Programa Polis de Leiria, vice-presidente do Centro Português de Design e da Associação Portuguesa Amiga dos Castelos.

“Os diagnósticos estão feitos, é preciso passar à ação, concretizar projetos”, defende Charters Monteiro, afirmando que muito para além das posições públicas que a ADLEI irá tomar “há, sobretudo, um caminho de promoção de ambientes de trabalho” que seja capaz de reunir “diversas entidades” sediadas em diferentes territórios.

A ADLEI foi criada em 1989 como uma associação cívica, tendo como propósito o estudo, a defesa e a promoção do desenvolvimento económico, social e cultural da região de Leiria, através de uma atividade não partidária.

A sua área de ação é o distrito de Leiria, integrando ainda o concelho de Ourém (distrito de Santarém).

A realização de congressos e conferências sobre Leiria e a sua região tem marcado a ação da ADLEI nos últimos anos.

Lusa