Assinar
Sociedade

Arriscaria a vida se lhe pagassem 1,70 euros à hora para combater as chamas?

Há bombeiros voluntários que pagam com a própria vida a tarefa de defender os outros, por vezes a preços de saldo. Valerá a pena? Há cada vez menos voluntários nas fileiras das corporações.

Eles vão, mas não sabem se regressam. E, nos últimos 16 anos, pelo menos quatro bombeiros do distrito de Leiria partiram em serviço, nas operações de combate a incêndios para que são treinados a enfrentar.

O funeral do bombeiro Vítor Joaquim mobilizou milhares de pessoas em Figueiró dos Vinhos (fotografia: SlideShow)

Américo Ferreira, de 40 anos, faleceu em serviço. Destino idêntico enfrentou Viviana Dionísio, de 29 anos, em 2006. A 9 de agosto de 2010, João Pombo, de 42 anos perdeu a vida e no segundo aniversário da sua morte, o combate aos fogos ceifa nova vida entre os bombeiros do distrito: Vítor Joaquim, bombeiro em Figueiró dos Vinhos.

Em comum têm o facto de pagarem com a vida o esforço de socorrer o próximo. Afinal, na crueza do rescaldo de mais uma tragédia, o que nos diz a realidade sobre quanto vale a vida de um bombeiro? Friamente, a resposta é: 108 mil euros. Este é o montante que é acionado pelo seguro dos bombeiros voluntários em caso de morte de um soldado da paz, muito embora possa sofrer flutuações de acordo com a realidade socioeconómica do agregado familiar do bombeiro.

Não obstante, este é um valor que fica aquém de algumas indemnizações praticadas quando o comum dos cidadãos morre num acidente de viação. É certo, contudo, que no caso dos bombeiros acresce uma “pensão de preço de sangue” que pode ser reclamada pela família.

E, quando a tragédia bate à porta ou os incêndios mostram as suas garras, a comunidade reconhece a importância dos corpos de bombeiros, “pena é que muitas vezes esse reconhecimento não seja feito ao longo dos 365 dias que o ano tem”, aponta Mário Cerol, presidente da Federação de Bombeiros do Distrito de Leiria.

Leia a reportagem na íntegra nas páginas 6 e 7 da edição de 17 de agosto de 2012.

Apoie o REGIÃO DE LEIRIA

Se chegou até aqui é porque este é um texto que lhe interessa. Por detrás dele há uma equipa e um conjunto de recursos que custam dinheiro e que, para continuarem a existir, precisam da sua ajuda. Gostávamos de lhe explicar como.