Assinar Edições Digitais
Mercado

Seis milhões transformam Mariparque no primeiro parque aquático coberto

Projeto pioneiro na Península Ibérica abrange 11 mil metros quadrados. Desacordo entre a câmara municipal e os promotores coloca 30 novos postos de trabalho em risco.

O primeiro parque aquático coberto, climatizado e de água quente na Península Ibérica. É este o plano que está em cima da mesa para o recinto de diversões Mariparque, na Praia da Vieira, concelho da Marinha Grande. Um investimento de seis milhões de euros, que inclui a remodelação do Hotel Cristal Vieira Praia & Spa e a sua promoção para quatro estrelas, podendo criar 30 postos de trabalho.

A 15534De acordo com Almeida Gomes, o objetivo da estratégia que pretende transformar o Mariparque – ao ar livre – no Cristal Fun Indoor Aquatic Park “é acabar com a sazonalidade” do negócio, atualmente limitado ao período de verão.

“Em vez de trabalhar dois meses, trabalhar 12”, explica o administrador dos Hotéis Cristal.

Para tanto, o projeto de arquitetura já aprovado pela Câmara Municipal da Marinha Grande prevê a cobertura e requalificação do parque aquático, 11 mil metros quadrados, no total, além do aumento do número de diversões e da criação de um clube de saúde.

Quanto ao Hotel Cristal Vieira Praia & Spa, beneficiará de pequenas obras para receber a classificação quatro estrelas, já autorizada pelo Turismo de Portugal.

Toda esta visão para a Praia da Vieira pode estar comprometida devido a um diferendo na interpretação do Programa de Apoio ao Investimento Industrial (PAII).

Os Hotéis Cristal requisitaram a isenção de taxas municipais no valor de 4.532 euros, devidas pelo alvará de outro hotel na localidade, o Cristal Praia Resort & Spa, mas o executivo rejeitou a pretensão, alegando que a hotelaria não é uma atividade industrial.

Perante esta decisão, tomada na reunião de Câmara (dia 6 de março) com o voto contra do vereador independente Aurélio Ferreira (Movimento pela Marinha), o empresário Almeida Gomes ameaça não avançar com o investimento de seis milhões de euros, que já tem uma candidatura a fundos comunitários aprovada pelo QREN. “Se a indústria hoteleira não é merecedora de incentivos, não o fazemos”, afirma.

Contactado pelo REGIÃO DE LEIRIA, o presidente do município da Marinha Grande, Álvaro Pereira, considerou o Cristal Fun Indoor Aquatic Park “de todo o interesse para o desenvolvimento do concelho”, lembrando que convocou uma reunião extraordinária para aprovação do respetivo projeto de arquitetura, em agosto do ano passado.

Relativamente às taxas municipais, remete para o Regulamento Municipal da Edificação e Urbanização (RMEU), que já prevê reduções de 50%.

Cláudio Garcia
claudio.garcia@regiaodeleiria.pt

(Notícia publicada na edição de 13 de março de 2014)