Select Page

Cemitério “verde” em Colmeias é projeto pioneiro

Cemitério “verde” em Colmeias é projeto pioneiro

Há um cemitério “verde” em Colmeias, hoje freguesia de Colmeias e Memória, que aposta na poupança e organização do espaço para garantir a “dignidade” que o equipamento merece. Dividido em duas fases, o projeto, idealizado pela Junta de Freguesia no anterior mandato, possui uma zona relvada reservada a sepulturas sem campa. Apenas lápides ou cruzes de madeira estão autorizadas para identificar a última morada dos “filhos da terra”.

Sobre os caixões são colocados apenas 50 centímetros de terra (fotografia: Helena Gomes)

O tapete de relva sintética, onde as coroas flores sobressaem, deixa adivinhar a precisão com que foi medido cada coval. O projeto, assumido como pioneiro por Artur Santos, presidente da Junta, vai contudo mais longe. Tendo em conta o terreno argiloso e “encharcado” que caracteriza a geologia da freguesia, em cada inumação são colocados apenas 50 centímetros de terra sobre o caixão antes de ser colocada a placa com relva.

Segundo Artur Santos, a medida pretende garantir a entrada rápida de oxigénio e facilitar a decomposição dos corpos, sem recurso a produtos químicos. Criada há cerca de um ano, esta nova área do cemitério tem merecido grande recetividade por parte dos habitantes da freguesia, de tal modo que o executivo planeia já a sua ampliação.

Para contrariar os problemas registados na zona antiga do cemitério, com campas colocadas em vários sentidos, e a saturação dos solos que dificultam a decomposição, a Junta implementou, noutra zona do novo cemitério, um conceito que obriga a que todas as campas tenham as mesmas dimensões. Para o efeito procedeu à abertura de covais com medida idêntica e livres de terra, e desenhou uma estrutura de pedra específica onde são assentes as campas depois de colocados 50 centímetros de terra.

A nova regulamentação está a ser aplicada noutros cemitérios da freguesia, nomeadamente no lugar de Igreja Velha, adianta Artur Santos ao REGIÃO DE LEIRIA, certo de que a solução adotada é mais vantajosa, tendo em conta a lotação da zona antiga do cemitério e o crescente abandono de campas.

MR

(Notícia publicada na edição de 5 de junho de 2014)

1 Comentário

  1. José Silva

    Desde que paguem os os 3000 que esse senhor pede… Força!

    Responder

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Primeira Página

Publicidade

Publicidade

Pergunta da Semana

A carregar

A programação da Capital Europeia da Cultura deve ou não incluir espetáculos tauromáquicos?

Obrigado pelo seu voto!
Já votou nesta pergunta!
Selecione uma das opções!

Newsletter Região de Leiria

app repórter no mundo

Share This