A Polícia Judiciária deteve dois responsáveis de uma empresa de segurança privada da região de Leiria e o Tribunal Central de Instrução Criminal aplicou-lhes a medida de coação de prisão preventiva.

Os indivíduos, um homem e uma mulher, ambos sócios-gerentes da empresa, estavam a ser investigados por crimes de associação criminosa, natureza fiscal e branqueamento de capitais.

segurança-privada1A detenção ocorreu na passada quinta-feira, no decorrer de uma operação no âmbito de investigação que visa a atividade ilegal da empresa de segurança privada. A Polícia Judiciária, através da Unidade Nacional Contra Terrorismo, revela em comunicado, “no âmbito de inquérito relativo a crimes de associação criminosa, natureza fiscal e branqueamento de capitais, em inquérito titulado pelo Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP), efetuou uma operação policial dando execução a vários mandados de busca domiciliária, não-domiciliária e em estabelecimentos bancários”, nas regiões de Leiria, Nazaré e Póvoa de Varzim, e ainda de dois mandados de detenção.

As buscas incidindo sobre as residências dos suspeitos, bem como nas instalações da empresa dedicada à atividade de segurança privada, permitiram ao Gabinete de Recuperação de Ativos (GRA) da PJ a apreensão de centenas de milhares de euros em numerário, várias viaturas topo de gama, uma embarcação e vários prédios urbanos, informa a mesma nota.

“Para além das detenções efetuadas, foram constituídos como arguidos vários indivíduos integradores da associação criminosa, cuja atividade, através desta ação, foi interrompida”, acrescenta.

Os dois arguidos detidos foram presentes a primeiro interrogatório judicial, ficando em prisão preventiva.