Select Page

SEF identifica seis mulheres em situação ilegal em ação realizada em Porto de Mós

O Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) anunciou hoje a realização de buscas num estabelecimento de diversão noturna em Porto de Mós, onde identificou seis mulheres em situação ilegal no país, tendo dado ordem de expulsão a duas delas.

No âmbito de um processo-crime sob investigação do SEF, foram realizadas buscas num estabelecimento de diversão noturna e área residencial associada, conotados com a prática da exploração da prostituição e auxílio à imigração ilegal, localizados na zona de Porto de Mós, sintetiza uma nota desta polícia citada pela agência Lusa.

Segundo a nota, a ação levou à apreensão de diverso material relacionado com os crimes em causa e à identificação de cerca de quatro dezenas de cidadãos, entre os quais 12 do sexo feminino.

Seis cidadãs estrangeiras estavam em situação documental irregular em território nacional e outras duas foram detidas por permanência irregular, uma vez que não cumpriram a notificação para abandono do país, anteriormente efetuada pelo SEF em ação de fiscalização desencadeada no mesmo local.

Depois de terem sido presentes a tribunal, “a uma das cidadãs foi determinada a medida de coação de instalação em Centro de Instalação Temporário, ficando a outra sujeita ao regime de apresentações semanais, enquanto aguardam o desenrolar dos processos de afastamento coercivo instaurados”, refere a nota.

O SEF informa ainda que duas outras cidadãs foram notificadas “para abandono do país no prazo de 20 dias, sob pena de, em caso de incumprimento, lhes vir a ser instaurado procedimento de afastamento coercivo”.

Uma outra cidadã foi notificada para comparência nos serviços de atendimento do SEF, “uma vez que poderá vir a regularizar a respetiva situação no país”.

Desta operação resultou a detenção de uma outra mulher por ter entrado em território nacional quando, no âmbito de um anterior processo de afastamento, havia sido impedida de o fazer por um período de quatro anos. Presente a Tribunal, aguarda que “a sentença proferida transite em julgado, sendo depois afastada de território nacional para cumprimento do remanescente do período de interdição de entrada”, lê-se no comunicado do SEF.

De acordo com o SEF, os responsáveis pelo estabelecimento foram constituídos arguidos, estando ainda sujeitos ao pagamento de coima, pela utilização da atividade de cidadãos estrangeiros em situação irregular, cujo valor pode oscilar entre os 4.000 e os 15.000 euros.

Nesta ação estiveram envolvidos 16 operacionais do SEF.

Lusa

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Siga-nos

Primeira Página

Publicidade

Publicidade

Pergunta da semana

A carregar

Concorda com a lei que proíbe o abate de animais nos canis municipais?

Obrigado pelo seu voto!
Já votou nesta pergunta!
Selecione uma das opções!

Região de Leiria no Facebook

Subscrição de newsletter

Share This