A Câmara das Caldas da Rainha vai pagar a deslocação de 17 autocarros para transportar 1.400 adeptos do Caldas à primeira mão das meias-finais da Taça de Portugal de futebol, a 28 de fevereiro, na Vila das Aves.

“É um jogo de grande impacto social para a cidade e para o clube, que, entendemos, deve ser potenciado com a promoção da cidade e dos jogadores”, defendeu o presidente da Câmara das Caldas da Rainha, Fernando Tinta Ferreira, numa conferência de imprensa em que anunciou que a autarquia irá suportar “a deslocação dos adeptos à Vila das Aves”.

A primeira mão das meias-finais da Taça de Portugal, que se realiza a 28 de fevereiro, no Estádio do Clube Desportivo das Aves, põe em confronto duas equipas que “pela primeira vez chegaram a este patamar da competição, gerando uma elevada exposição a que o tecido económico e social se associa”.

O interesse dos adeptos do Caldas em assistir à partida na Vila das Aves vai refletir-se em “16 ou 17 autocarros” fretados pela autarquia para transportar 1.435 pessoas, que já fizeram a pré-inscrição para a deslocação.

Um investimento de “7.500 euros que a Câmara oferece à cidade e ao clube”, revelou Tinta Ferreira, adiantando que os 17 autocarros “vão ser decorados com imagens e mensagens alusivas à cidade e aos jogadores”.

Na viagem, serão acompanhados por “grupos de motards” e mais “cerca de 500 adeptos que se deslocam em viaturas”, para participar “numa festa em que haverá porco no espeto para todos, antes e depois do jogo, independentemente do resultado”, divulgou o presidente do Caldas, Jorge Reis.

De acordo com o mesmo responsável, o Caldas Sport Clube tem atribuídos “cerca de 1.200 bilhetes”, mas, “dado o elevado número de inscrições”, vai tentar “comprar mais cerca de 400 bilhetes on-line”, para serem vendidos aos adeptos pelo mesmo preço, “para que todos os inscritos possam assistir ao jogo”.

Na conferência de imprensa, o presidente do clube fez ainda um apelo para que “todos os adeptos tenham um comportamento exemplar” na Vila das Aves, lembrando que “um jogo não é uma coisa de vida ou de morte” e que “nem a equipa adversária, nem os árbitros são inimigos”.

O apelo foi feito depois de o Caldas ter sido multado em 1.750 euros por objetos atirados para o campo e palavras dirigidas a um delegado da Federação Portuguesa de Futebol aquando do jogo com o Farense, dos quartos de final da Taça de Portugal.

O clube foi ainda alvo de um processo disciplinar, por alegados insultos racistas de um adepto, comportamento no qual “o clube não se revê”, sublinhou Jorge Reis, afirmando que o Caldas “quer fazer história em termos desportivos, mas também em termos comportamentais”.

A primeira mão das meias-finais disputa-se a 28 de fevereiro, na Vila das Aves, enquanto a segunda mão, nas Caldas da Rainha, está prevista para 18 de abril.