Select Page

Trabalhadores da Rodoviária do Tejo, do Oeste e do Lis voltam a fazer greve quinta e sexta-feira

Greve dos trabalhadores da Rodoviária começa na madrugada de quinta-feira, às 3 horas, e termina na madrugada de sábado, ás 3 horas Foto de arquivo: Joaquim Dâmaso

Os trabalhadores da Rodoviária do Tejo, da Rodoviária do Oeste e da Rodoviária do Lis voltam à greve quinta e sexta-feira desta semana. A paralisação começa às 3 horas do dia 3 de janeiro e prolonga-se até às 3 horas do dia 5 (sábado).

Segundo comunicado da Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (FECTRANS), os trabalhadores que têm concentração marcada esta quinta-feira, às 11 horas, junto à sede do grupo Barraqueiro, em Lisboa, reivindicam o aumento do salário e unificação das regras de trabalho em todas as empresas.

Já em novembro, os trabalhadores das empresas do Grupo Tejo do grupo Barraqueiro paralisaram dois dias, tendo o STRUP – Sindicato dos Trabalhadores de Transportes Rodoviários e Urbanos de Portugal vindo a reunir com as empresas no sentido “de se atingir o entendimento necessário para o acordo”.

“Contrariamente ao desejável, ‘os responsáveis’ pelas empresas, ao invés de tudo fazerem para resolver ou minimizar a atual situação, estão optando por alimentar um braço de ferro com os trabalhadores”, além de demonstrar “insensibilidade aos nossos argumentos de valorização urgente dos salários”, adianta ainda o STRUP numa circular dirigida aos trabalhadores.

Já em novembro, a FECTRANS denunciava o que considerava “situações discriminatórias” relativas a diferenças laborais e salariais entre trabalhadores, por serem abrangidos por duas convenções de trabalho diferentes.

Em declarações à agência Lusa, Manuel Castelão, dirigente da federação nos distritos de Leiria e Santarém, referia então que “enquanto um motorista da Rodoviária do Tejo tem um salário de 621 euros, que na prática são 609, porque tem englobado o abono para falhas, um motorista [abrangido pelo contrato coletivo de trabalho] da ANTROP [Associação Nacional de Transportadores Rodoviários de Pesados de Passageiros] tem um salário a rondar os 650 euros”.

Os trabalhadores reivindicam, por isso, a “unificação das relações laborais”, assim como aumentos do salário e do subsídio de refeição, que é de 2,55 euros, valor que “não dá para comer uma sandes e beber um sumo”.

“O salário mínimo em janeiro ficará nos 600 euros e um motorista tem um salário de 609 euros, ou seja, grande parte destes motoristas fica com um salário nove euros acima do salário mínimo nacional e é inconcebível”, afirmou Manuel Castelão.

O REGIÃO DE LEIRIA tentou obter um comentário junto da administração da Rodoviária sobre a greve e o seu impacto mas ainda não obteve resposta.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Primeira Página

Publicidade

Pergunta da Semana

A carregar

A Câmara Municipal da Marinha Grande deve comprar as piscinas de São Pedro de Moel?

Obrigado pelo seu voto!
Já votou nesta pergunta!
Selecione uma das opções!

Newsletter Região de Leiria

app repórter no mundo

Share This