Guardar crianças enquanto brincam livremente na rua, sem acesso à tecnologia, é o mote do projeto Brincar de Rua, que está à procura de novos voluntários para o próximo ano letivo.

Guardiões do Brincar é o nome da dupla de cidadãos que monitoriza e acompanha, voluntariamente, um grupo de, no máximo, 15 crianças (Grupo Comunitário do Brincar) durante duas horas de brincadeira no seu bairro.

O projeto é promovido pela Ludotempo – Associação de Promoção do Brincar, com sede em Leiria, e teve no ano letivo passado 95 inscrições para Guardiões do Brincar em todo o país, totalizando 17.902 horas de atividades na rua.

Por cá, a brincadeira acontece na urbanização de Santa Clara, em Leiria. Um outro grupo entrará em funções em setembro, em São Romão, também em Leiria, mas o objetivo é formar novos grupos.

Todas as semanas os Guardiões do Brincar reúnem no mesmo local, dia e hora para duas horas de brincadeira não estruturada, onde todas as atividades são bem-vindas desde que não incluam equipamentos digitais.

As inscrições estão abertas até 9 de agosto e os interessados devem ter duas horas livres por semana, ser maiores de idade e defender os valores do projeto – gostar de brincar e acreditar que fazê-lo na rua forma crianças mais ativas e que têm relações de vizinhança mais fortes. Os voluntários devem entregar o registo criminal e ter disponibilidade para um dia de formação, a decorrer a 14 de setembro (inscrições em www.brincarderua.pt).

Para os “brincadores” (crianças), as inscrições podem ser feitas a partir de 12 de agosto na página do projeto (www.brincarderua.pt).

“São eles [Guardiões do Brincar] quem dá oportunidade às crianças de brincar na rua, mas também de se desenvolverem na relação com o outro e ambiente que as rodeia”, afirma, em comunicado, Francisco Lontro, coordenador do projeto.