Select Page

Quais as prioridades para o país e a região? Conheça as propostas dos partidos

São o rosto das candidaturas pelo círculo de Leiria às eleições legislativas, no próximo dia 6 de outubro. As listas candidatas por Leiria responderam ao inquérito do REGIÃO DE LEIRIA, indicando quais as prioridades para Portugal e para Leiria.

As respostas são apresentadas por ordem alfabética pelo nome do partido.

1 – Como cabeça de lista qual a sua ideia  para o país?
2 – E para o distrito de Leiria?

Joana Ferraz, cabeça-de-lista do partido Aliança, quer tornar a região tão una quanto única, com dinamismo de excelência

1 Quero um país com políticos mais honestos. Que cuide dos seus reformados. Que faça do combate à pobreza e à exclusão social uma prioridade. Que dê aos jovens a certeza de uma carreira de futuro. Que se preocupe em manter uma dinâmica empresarial com maior produtividade. Um país em que a saúde e a justiça não nos envergonhe. Um país que nos orgulhe.

2 Que seja o distrito que merece, ao nível do seu potencial orgulhoso da sua importância. Pela centralidade, capacidade empreendedora e suas gentes! Que seja uma região tão una como única no que a caracteriza com um dinamismo de excelência só 
possível com reais políticas de coesão e melhoria dos serviços básicos. Leiria precisa de deixar de precisar.

Ricardo Vicente, cabeça-de-lista do Bloco de Esquerda (BE), diz que o ordenamento é a “chave” para o território

1 Nos últimos quatro anos, a força do Bloco permitiu reconquistar a confiança num futuro melhor. A política de devolução de rendimentos à população permitiu maior dinamização da economia e todos ganhámos. Lutamos por um futuro com maior qualificação do trabalho, mais justiça na distribuição de rendimentos, menos precariedade e menos corrupção.

2 É necessário aumentar o investimento público para um futuro mais promissor. A requalificação integral da Linha do Oeste será
uma alavanca para mudar o perfil de mobilidade, melhorar a qualidade de vida e preservar o ambiente. Mais ordenamento, com novos modelos agroflorestais e de produção animal, é a chave para um território mais seguro e com menos incêndios.

Raquel Abecasis, cabeça-de-lista do CDS-PP, defende a liberdade de escolha na educação e na saúde

1 Defendo que o país deve aliviar a carga fiscal para pessoas e empresas. O alívio fiscal é essencial para o crescimento económico do país. Acredito que o privado sabe utilizar melhor os recursos gerados do que o Estado. Defendo também a liberdade de escolha na educação e na saúde, condição indispensável para vivermos numa sociedade democrática.

2 Leiria precisa da abertura de Monte Real à aviação civil para potenciar as atividades comerciais e turísticas do distrito.
Leiria precisa de melhor saúde recorrendo ao sector social e privado sempre que o SNS não dê resposta. Os pais devem continuar a ter liberdade na escolha da melhor escola para os seus filhos.

Heloísa Apolónia, cabeça-de-lista da CDU, pretende combater as assimetrias que fustigam o distrito

1 Quanto melhor viverem os cidadãos, melhor estará o país. Avançar nos salários e pensões, nos direitos de quem trabalha, no direito à educação, à saúde, à habitação, a apoios sociais dignos; preservar o meio ambiente e defender o património natural; apostar na produção nacional e defender a soberania. Portugal pode e tem de avançar.

2 A coesão social e territorial é o grande desafio. Combaterei as desigualdades sociais e assimetrias de desenvolvimento que fustigam o distrito, por melhores serviços públicos na saúde e educação e um sistema integrado de transportes públicos com uma Linha do Oeste moderna. Farei tudo para vermos renascer o Pinhal de Leiria e defenderei mais emprego e mais produção amiga do ambiente.

Luís Paulo Fernandes,  cabeça-de-lista do partido Chega, quer reflorestar todas as áreas ardidas do distrito

1 Travar a entrada do islamismo sob a capa de “refugiados” em Portugal, combater a ideologia de género, dar liberdade às empresas aumentando o crescimento económico do país, combater a corrupção e o nepotismo político, terminar de vez com o parasitismo daqueles que nada querem fazer e dos próprios políticos e punição severa e efetiva de criminosos.

2 Defender a inclusão e união do distrito de Leiria como um todo incentivando parcerias entre concelhos, reflorestar todas as áreas ardidas do distrito, avançar soluções para despoluir os cursos de água e aumentar a produção animal, reduzir burocracia e asfixia fiscal, aplicar fundos e apoios públicos com total transparência e promover a exportação.

Bernardo Blanco, cabeça-de-lista do Iniciativa Liberal, quer atrair investimento estrangeiro, com menos impostos e burocracia

1 Portugal precisa de uma Revolução Fiscal. Menos impostos e menos burocracia para incentivar os nossos empresários e atrair investimento estrangeiro, o que levará a um forte aumento dos salários. Vamos descomplicar Portugal e colocar o país a crescer a sério. Temos potencial para ser um dos melhores países da Europa como a Irlanda e a Holanda.

2 Queremos que Leiria recupere poder. Vamos devolver poder do Estado Central para as comunidades. Os municípios conhecem melhor os problemas locais e as soluções. É também urgente incentivar as empresas a qualificar milhares de pessoas que terão os empregos em risco brevemente com o reforço da automação da indústria e da inteligência artificial.

Filipe Honório, cabeça-de-lista do LIVRE, acredita que Leiria tem potencial para ser coeso e sustentável

1 No LIVRE acreditamos que é urgente travar uma luta pela justiça social e justiça ambiental. O Portugal do futuro tem de ser um país onde quem trabalha pode pagar uma casa. Um país onde a educação, que é o principal motor da mobilidade social, esteja acessível a qualquer um. Um país em que a vida não seja escrava do trabalho. Um país sustentável.

2 O distrito de Leiria tem o potencial para ser um território coeso e sustentável. A visão do LIVRE para este distrito é a de um espaço onde a mobilidade seja acessível a todos, e onde se criem condições para que continue a ter um ecossistema sustentável. Desde as manchas verdes no Pinhal Interior a toda a costa do Oeste. Um lugar para viver.

Luís Marques, cabeça-de-lista do Movimento Alternativo Socialista (MAS), bate-se pelo fim da monocultura do eucalipto

1 O MAS bate-se por um governo de esquerda que defenda os serviços públicos e por um código laboral que defenda de facto os trabalhadores. Defendemos a penalização de quem lesa o património dos país e exigimos um salário mínimo de 900 euros e 35 horas para o público e para o privado. Temos medidas claras contra a opressão social e laboral da mulher.

2 Em Leiria a questão ambiental reveste-se duma importância fulcral. Estamos ao lado de quem tem lutado pelo fim dos contratos de prospeção de petróleo e gás natural em Pombal e Alcobaça. Daremos também uma batalha pela requalificação da floresta. Batemo-nos por um plano de transição energética e pelo fim da monocultura do eucalipto.

Pedro Ladeira, cabeça-de-lista do partido Nós Cidadãos, tem como prioridades o ambiente e a economia

1 Portugal está a caminho de ser o país mais pobre da União Europeia, resultado da má governação que beneficia a clientela partidária e abandona as pessoas. O Parlamento que devia fiscalizar o Governo, não pede contas de forma eficaz e deixa andar a incompetência de mãos dadas com a impunidade. O Nós, Cidadãos! vai pedir contas aos governantes.

2 Leiria terá dois projetos inovadores. Em homenagem às vítimas de Pedrógão Grande, o projeto ambiental AID 4 Green, propondo o Pinhal de Leiria para Património Imaterial e novidades na gestão florestal. E um projeto económico, no estádio de Leiria, LEIRIA PODERS (Pólo Operacional de Desenvolvimento Empresarial e Reabilitação Social), colocando o distrito no centro do desenvolvimento nacional.

Rui Prudêncio, cabeça-de-lista do partido Pessoas-Animais-Natureza (PAN), defende o desenvolvimento económico responsável

1 Quero para Portugal uma transição económica baseada na sustentabilidade ecológica de forma a garantir equilíbrio ambiental e justiça social no futuro, uma verdadeira economia verde que, por exemplo, rejeite os combustíveis fósseis e a pecuária intensiva mas ao invés promova a agricultura biológica e a ferrovia, ou seja, a preservação da Natureza.

2 Quero a revitalização da linha do Oeste e a construção do Hospital do Oeste para o desenvolvimento económico responsável e a qualidade de vida, responsabilização judicial da pecuária intensiva pela poluição do solo e água, apoio aos municípios e associações zoófilas na construção de abrigos e esterilização maciça dos animais errantes e abandonados.

Adelino Dinis Pereira, cabeça-de-lista do Partido Comunista dos Trabalhadores Portugueses (PCTP/MRPP)

1 A minha ideia é a da construção de uma sociedade nova, de iguais, sem exploração nem opressão, onde cada um produza conforme as suas possibilidades e receba de acordo com as necessidades. Defendemos a saída de uma União Europeia em desagregação e da NATO; a semana das 35 horas de trabalho; o não pagamento da dívida pública.

2 Propugnamos iniciativas políticas e económicas para estancar a crescente desertificação, através da reindustrialização e combate sem contemplações às tentativas das grandes empresas capitalistas expulsarem os proprietários de pequenas zonas florestais. Leiria precisa de ver apoiados os mais pobres e desprotegidos e todos os que são vítimas de um SNS em que as listas de espera se transformam em corredores da morte.

Amílcar Gaspar, cabeça-de-lista do Partido da Terra (MPT)

1 Enquanto parlamentar temos de defender os principais três pilares que devem de ser a sustentabilidade de uma democracia: educação, que deve de ser gratuita até aos 18 anos; sistema de saúde, que deve de ser acessível a todos e, infelizmente nos dias que correm, está cada vez pior; e justiça que, além de precisar de uma revisão porque muitas leis estão desfasadas da atual realidade e sociedade, está só ao alcance de alguns.

2 As prioridades do distrito são, nomeadamente, a abertura de um aeroporto à aviação civil, a despoluição do rio Lis, as ETAR para as suiniculturas e potenciar o que a região tem de melhor – turismo, património, comércio e indústria – visto estarmos numa região que produz de tudo um pouco e ser muito forte nas exportações.

Pedro Serra, cabeça-de-lista do Partido Democrático Republicano (PDR), defende o desenvolvimento dos portos da Nazaré e de Peniche

1 Queremos melhorar a cidadania ativa dos portugueses; erradicar a corrupção em Portugal; maior redução do IRS em função do número de dependentes; isenções e redução da TSU, como incentivo à contratação de primeiro emprego e desempregados de longa duração; garantir a sustentabilidade da Segurança Social; reduzir o esforço fiscal das pequenas e microempresas.

2 No âmbito regional queremos atribuir Cheque creche e Pré-escolar para todas as crianças sempre que não haja vagas nos estabelecimentos públicos; os dois portos de pesca da Nazaré e Peniche têm de ser desenvolvidos e criados apoios aos pescadores; repensar e reorganizar a Floresta; melhorar o IC8; apoiar o IPLeiria, em novos cursos nas áreas marítimas, agroflorestais e indústria não poluente.

João Pedro Amaral, cabeça-de-lista do Partido Nacional Renovador (PNR), defende a redução da carga fiscal para 19%

1 O nosso mote de campanha é “Fazer Portugal grande novamente”. Resumidamente: segurança, condições para forças de segurança, redução carga fiscal (IVA a 19%), eliminação do ISP (combustíveis), retorno ao interior (combate à desertificação), políticas de natalidade, impedir a disseminação da ideologia do género nas escolas, acesso à justiça pela classe média.

2 Preocupa-nos a falta de mão-de-obra no distrito, que é transversal a todo o território. Esta falta é impeditiva para o crescimento das nossas empresas, e uma das maiores preocupações dos empresários, além da elevada carga fiscal. Desde a agricultura aos serviços, todos se queixam. Formação, natalidade, alívio da carga fiscal, revisão da política de atribuição de subsídios são áreas que têm de ser trabalhadas e repensadas.

Luís Almeida, cabeça-de-lista do Partido Popular Monárquico (PPM), quer valorizar o território e as pessoas

1 Somos a favor da diminuição de deputados na Assembleia da República, mas, também, da valorização de todas as regiões do país. Ao contrário de Lisboa e Porto, os restantes distritos são pouco representados no hemiciclo. O nosso ensino tem estado em maus lençóis e há que saber valorizar a profissão dos professores.

2 O nosso território continua com falta de gestão e ordenamento florestal. O PPM é a favor de um ordenamento florestal disciplinado e rigoroso para que os fogos florestais acabem! Temos um território magnifico, uma cultura e história enorme, praias lindíssimas. Temos que valorizar as nossas pessoas, o nosso território. Prometemos defender e lutar pelos interesses do distrito. Acreditamos no nosso território, nas nossas pessoas e naquilo que tão bem sabemos fazer.

Raul Castro, cabeça-de-lista do Partido Socialista (PS), quer aproximar a região dos decisores nacionais

1 Espero contribuir, enquanto deputado, com uma perspetiva mais próxima da realidade vivida na administração local, pelo conhecimento que tenho das dinâmicas económicas, sociais e culturais. Para uma melhoria do país é fundamental reduzir o fosso entre os grandes centros urbanos e as restantes regiões, aumentando a proximidade entre os decisores nacionais e as populações.

2 As ideias para Leiria deverão ser sempre debatidas com as suas forças vivas, com vista à defesa dos interesses dos cidadãos. Seja na importância da sua afirmação na região, seja a liderar a indústria 4.0. O aeroporto em Monte Real, a passagem do IPLeiria a Universidade Politécnica e a modernização da linha do Oeste são prioridades, para além das respostas na saúde e defesa da qualidade ambiental.

Margarida Balseiro Lopes, cabeça-de-lista do Partido Social Democrata (PSD), aposta numa reserva mundial de surf

1 Acredito num país onde as oportunidades existem independentemente do nosso ponto de partida e sejamos capazes de desenvolver com liberdade os nossos projetos de vida. Onde o Estado funcione mas não sufoque e a educação de qualidade seja um elevador social. Onde a sociedade civil seja forte e a iniciativa privada também.

2 Leiria tem de afirmar-se no contexto nacional e mundial. Tem condições para ser o motor económico do país e isso deve refletir-se em melhores condições de vida para as pessoas. Quero a abertura de Monte Real à aviação civil, a Universidade Politécnica de Leiria, a melhoria dos serviços de saúde e a aposta na criação da reserva mundial de surf “da Baleia ao Baleal”.

Márcia Henriques, cabeça-de-lista do partido Reagir-Incluir-Reciclar (RIR), quer mais investimento no mar e na agricultura da região.

1 Reagir, Incluir, Reciclar – RIR. Reagir contra a corrupção que assola o país. Incluir os portugueses nas decisões e não só os interesses de alguns. Reciclar a democracia: transparência e prioridades redefinidas na aplicação dos dinheiros públicos..

2 Leiria é um distrito com muito peso na economia e no PIB nacional. O RIR Leiria quer apostar em tudo o que possa melhorar as nossas empresas e, consequentemente, as condições de trabalho dos seus funcionários. O RIR quer, por exemplo, a ferrovia em bom funcionamento. O RIR quer um aeroporto civil em Monte Real. O RIR quer mais investimento no mar e na agricultura.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Primeira Página

Publicidade

Pergunta da Semana

A carregar

Leiria vai ter um busto de homenagem ao antigo presidente da Câmara, Afonso Lemos Proença. Concorda?

Obrigado pelo seu voto!
Já votou nesta pergunta!
Selecione uma das opções!

Publicidade

Newsletter Região de Leiria

app repórter no mundo

Share This