Select Page

Empresário de Porto de Mós quer retirar da rua os sem-abrigo em Montreal

Chama-se Herman Alves e tinha 12 anos quando, com a família, deixou a terra natal, Porto de Mós, e rumou ao Canadá. E lá, em Montreal, que assume agora o desafio de combater a pobreza, num projeto que pretende retirar das ruas os cerca de seis mil sem-abrigo existentes na cidade.

“Esta causa dos sem abrigo toca-me muito porque os invernos são muito frios e em Montreal e há umas seis mil pessoas que não possuem uma residência fixa”, afirma Herman Alves, atualmente com 62 anos de idade.

No Canadá há 50 anos, o empresário e presidente do Clube Rotário de Montreal sublinha a importância da questão dos sem-abrigo: “é um problema que não pode ser esquecido”, mas “cabe sobretudo aos cidadãos controlá-lo e ajudar o máximo de pessoas afetadas”.

Herman Alves 

Com as temperaturas gélidas a chegarem a Montreal, com muitos com 30 graus negativos, Herman Alves salienta que os rotários integram uma plataforma de associações para “mostrar que partilhar a riqueza com os mais desfavorecidos da nossa sociedade” é um dever que cabe a todos.

“Queremos começar por lançar uma campanha com os Clubes Rotários, como um evento anual, para conseguirmos apoiar algumas instituições que auxiliam os sem-abrigo, para depois organizarmos algo de grande dimensão”, explicou, citado pela agência Lusa.

Esta vontade de Herman Alves em ajudar os sem-abrigo não é nova, surge desde 1989 quando um sem-abrigo perdeu a vida ao ser encontrado congelado no Parque Viger, na cidade de Montreal, um caso que chocou a cidade francófona.

O empresário do ramo da construção então envolveu-se na criação da instituição ‘Share the Warmth’, para angariar roupas para os sem-abrigo. “Eu conheci os fundadores da ‘Share the Warmth’ e fiquei tão sensibilizado com os seus esforços que percebi que tinha de fazer a minha parte”, explicou o empresário de Porto de Mós em declarações ao Montreal Gazzete, jornal da cidade onde está radicado.

O percurso de Herman Alves no país que o acolheu não foi isento de dificuldades. Enquanto estudava, trabalhou no serviço de entregas de uma loja, para ajudar a família a fazer face às despesas do dia a dia.

Posteriormente, veio a trabalhar no sector das telecomunicações e da restauração. E, desde cedo, sentiu a vontade de retribuir, apoiando os mais necessitados.

Desde 1989 que com a ajuda de muitos colaboradores, Herman Alves já angariou mais de 1.2 milhões de dólares canadianos (823 mil euros) canalizados em mecanismo sociais para combater a pobreza e esteve envolvido no projeto que converteu a igreja de Grace num centro comunitário.

Nota: notícia originalmente publicada na edição impressa de 21 de novembro. Notícia corrigida às 11h19 de dia 2 de dezembro, retirando a referência à capital do Quebeque.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Primeira Página

Pergunta da Semana

A carregar

Concorda que a Agência Mundial Antidopagem tenha proibido a Rússia, durante quatro anos, de participar em todas as competições desportivas globais?

Obrigado pelo seu voto!
Já votou nesta pergunta!
Selecione uma das opções!

Publicidade

Newsletter Região de Leiria

app repórter no mundo