Assinar Edições Digitais
Nazaré

“Já estou no quarto. O hospital é novo, está muito bem preparado”

O português natural da Nazaré infetado com Coronavírus chegou ao Fujita Health University Hospital, em Okazaki, no Japão, após sete horas de viagem em autocarro.

O português natural da Nazaré infetado com Coronavírus chegou esta terça-feira, dia 25, ao Fujita Health University Hospital, em Okazaki, no Japão, após sete horas de viagem de autocarro, que transportou 18 pessoas de diversas nacionalidades.

“Já estou no quarto. O hospital é novo, está muito bem preparado, e ainda não foi inaugurado. Para nós que não apresentamos os sintomas graves de que se fala, parece ter todas as condições” disse Adriano Maranhão, de 41 anos, numa videochamada para a sua mulher, Emmanuelle Maranhão.

O nazareno, que chegou ao hospital às 11h30 (mais nove horas no Japão), adiantou que foram “bem recebidos” e sujeitos a uma primeira triagem.

O tripulante do navio Diamond Princess, do qual foi transferido, explicou que as pessoas preencheram documentos, tiraram fotografias para cartões de identificação e foram encaminhadas para os quartos, havendo para os ajudar pelo menos dois interpretes que falam inglês.

Entre os funcionários presentes no hospital “nenhum disse que era médico”, tudo indicando que a visita de um médico aos pacientes aconteça esta quarta-feira, dia 26. Entretanto, têm de verificar a temperatura corporal diversas vezes ao dia, para se certificaram que não há alterações.

Adriano Maranhão encontra-se num dos sete quartos situados num corredor com 20 a 30 metros de comprimento, o único espaço onde está autorizado a circular. Os outros internados “nas mesmas circunstâncias” que o português, de países como a Índia, Filipinas, Japão e África do Sul, estão distribuídos por aquele e outros dois corredores.

O português referiu durante a videochamada que sente “o corpo cansado e apresenta uma temperatura corporal de 37º”, o que “será normal” nestas circunstâncias. “Estou confiante, depois de um filipino me ter dito que sete colegas dele estavam no hospital com sintomas mais graves e agora os testes deram negativo”, adiantou Adriano Maranhão.

O autocarro que transportou o grupo de infetados com Coronovírus fez a viagem escoltado por dois veículos da polícia e outros dois militares, e uma ambulância. Adriano Maranhão vai continuar a usar o telemóvel para contactar a família e o acesso à Internet é gratuito na unidade hospitalar.