Foi com Natália Valinha que Helena Vasconcelos iniciou uma série de entrevistas com o tema “O que a vida me ensinou” Foto: Joaquim Dâmaso

Estão marcadas para as 15h30 desta quinta-feira, na Maceira, as cerimónias fúnebres de Natália Valinha, fundadora do grupo Sanches, com várias farmácias na região de Leiria.

A empresária morreu na passada terça-feira, em Espanha, onde se encontrava a fazer um tratamento à doença com que se debatia há alguns anos.

O seu estado de saúde era conhecido. Dele falou na entrevista que deu ao REGIÃO DE LEIRIA a 2 de fevereiro de 2017. A conversa foi conduzida pela médica Helena Vasconcelos que, ao lado, assinava um artigo de opinião com o título “Natália, uma supermulher”.

Na entrevista, a empresária regressou aos tempos de infância, marcada pela exigência e superproteção do pai, e aos momentos de dor marcados pela perda do marido Leonel Costa, em janeiro de 2012, com quem viveu “um grande amor”.

O empresário administrava o grupo LN Moldes e presidia, na altura, à Cefamol – Associação Nacional da Indústria de Moldes. Após a sua morte, Natália Valinha tomou as rédeas do negócio do marido, mas acabaria por vender as empresas à família Champalimaud.

Naquela entrevista intimista, confirmou ainda o seu espírito empreendedor, confessou-se uma “uma negociadora implacável” e falou de negócio das farmácias.

Leia o texto na íntegra, bem como o artigo de opinião da Helena Vasconcelos, acedendo aqui a essa edição do REGIÃO DE LEIRIA.