Cerca de 600 pessoas, entre docentes, e encarregados de educação de alunos do Agrupamento de Escolas de Marrazes, Leiria, começaram ontem, sábado, a ser informados da necessidade de se manterem atentos a eventuais sintomas da Covid-19, na sequência de ter sido confirmada a infeção de uma docente do agrupamento.

A professora leciona na escola sede do agrupamento, em Marrazes. Jorge Brites, diretor do agrupamento, confirma ao REGIÃO DE LEIRIA que “uma docente da escola sede do agrupamento de Marrazes, deu positivo para Covid-19 e que ontem ainda, depois de informado pela responsável de saúde, enviei comunicação a todos os docentes do agrupamento e a todos os encarregados de educação a dar conta da situação”.

A comunicação do diretor da escola indicava para a necessidade de se “manterem atentos e cumprirem todos os procedimentos que estão no plano de contingência” do agrupamento.

A docente em causa, cuja infeção pelo novo coronavírus foi ontem publicamente conhecida, não reside na freguesia e deixou de frequentar a escola quando surgiram os primeiros sintomas: “quando sentiu febre deixou de ir às aulas, como é prudente fazer”, refere Jorge Brites que adianta não existir “nenhum grupo [na escola] que, neste momento, inspire cuidado diferenciado”, para além da necessidade de seguir as recomendações.

Embora o agrupamento de escolas liderado por Jorge Brites conte com cerca de dois milhares de alunos, o diretor explica que este aconselhamento à vigilância de sintomas, cinge-se aos utilizadores da escola sede, uma vez que com os restantes não existia nem contacto físico nem proximidade geográfica com a docente que reside no concelho de Leiria, na freguesia de Parceiros.

Ainda assim, às autoridades de saúde foram facultados os contactos de docentes e alunos da escola sede, “para eventual contacto posterior que venha a ser necessário”, explica Jorge Brites.

Ainda sem nenhum caso confirmado da doença na freguesia, Paulo Clemente, presidente da união de freguesias de Marrazes e Barosa, adianta que estas recomendações provenientes do agrupamento de escolas, foram recebidas sem alarido.

Ainda assim, a autarquia planeia iniciar amanhã a desinfeção das ruas, a título preventivo. “Estamos sem casos na freguesia, para além deste da escola no caso de uma docente que não é desta freguesia”, diz.

Paulo Clemente refere que a generalidade da população está a acatar as recomendações para se manter em casa e apela à serenidade. “Não tenho relatos de não cumprimento das recomendações na freguesia e não houve alarido, todos aguardam com serenidade, que é o que devemos ter”, refere.