Se a Câmara de Leiria doou 200 mil euros para a realização de uma série sobre “O Crime do Padre Amaro”, pode adotar “uma posição de maior amplitude e rapidez nas ajudas que tem disponibilizado para fazer face a este estado de guerra biológica no combate à pandemia”.

Quem o afirma são os vereadores do PSD depois de terem tomado conhecimento na reunião do executivo, de terça-feira passada, da intenção da Câmara em subsidiar uma produção alusiva à obra de Eça de Queiroz que tem Leiria como pano de fundo.

Na declaração de voto enviada ao REGIÃO DE LEIRIA, os vereadores do PSD sugerem que, “face à escassez de recursos de proteção hospitalar”, a Câmara Municipal, “para além dos 100 mil euros que doou ao Centro Hospitalar de Leiria, proceda rapidamente, à aquisição direta de vários ventiladores, material hospitalar de proteção, como máscaras, luvas, batas, viseiras, necessários para o Hospital, para a proteção civil e para a população que pelas suas especificidades de saúde ou profissional necessite”.

A bancada do PSD composta por Álvaro Madureira, Fernando Costa e Ana Silveira propõe o valor de 300 mil euros, mas apoiam valores superiores caso venha a ser necessário.

Adianta ainda que a Câmara “possui uma exagerada folga financeira, suficiente para tomar a liderança como agente de proteção civil e, na proximidade das populações, fazer face às carências locais”. O objetivo, referem, é “não estarmos à espera do poder central para resolver os nossos problemas”.

Os vereadores do PSD manifestam-se confiantes quanto à capacidade do país em “debelar este enorme flagelo atual” e elogiam e agradecem “todo o empenho e dedicação dos profissionais de saúde, de segurança, da proteção civil, dos bombeiros, da distribuição, das atividades económicas que fornecem bens de primeira necessidade às populações, assim como às pessoas deste concelho que têm demonstrado com determinação comportamentos exemplares de autoproteção, higienização e de isolamento social”.