O Grupo Lusiaves adquiriu 12,19 hectares na Zona Industrial da Guia, em Pombal, para a construção de uma unidade industrial, que a autarquia prevê ter impacto em toda a “dinâmica económica e social” do concelho.

O Município de Pombal alienou terrenos industriais, com a área de 121.850 metros quadrados (12,19 hectares), para construção de uma unidade industrial, localizados contiguamente à Zona Industrial da Guia, ampliando-a em cerca de 85% da sua área, refere uma nota de imprensa conjunta.

Na hasta pública, o Grupo Lusiaves apresentou uma proposta, no valor de 640 mil euros, garantindo a adjudicação dos terrenos, que tinham sido adquiridos pelo Município para expansão da zona industrial, tendo em conta a procura de investidores.

O presidente da Câmara de Pombal, Diogo Mateus, destacou à Lusa que a instalação desta empresa “vai influenciar toda a dinâmica económica e social do concelho” e que será “uma âncora para a fixação de outras empresas”.

Diogo Mateus entende que estas indústrias, a que se junta agora um “grande” projeto da Lusiaves, são também uma “belíssima oportunidade para a agricultura menos capacitada aproveitar o setor mais sofisticado da indústria para escoar os seus produtos”.

A produção na área de pomares, cereais ou aves poderá ser encaminhada para a indústria, exemplificou.

“Parece estar a confirmar-se a expectativa que tinha há vários anos: Pombal apresenta-se como um ‘cluster’ agroindustrial fortíssimo, com indústrias de renome como a Compal, Cuétara ou a Derovo. Esta concentração contribui para uma dinâmica do setor”.Diogo Mateus, presidente da Câmara de Pombal

Além da agricultura, “um conjunto de empresas que orbitam à volta desta unidade – que é 10 a 15 vezes maior do que o Expocentro – podem ganhar muito”.

“Com o forte teor tecnológico que empresas desta dimensão possuem, o efeito no emprego será de colaboradores mais qualificados. Terá também um impacto na formação profissional e no ensino da região”, reforçou o autarca.

O presidente da Câmara de Pombal entende também que a Lusiaves poderá “potenciar a área logística”, que já é “muito forte”, no concelho.

Diogo Mateus lembra que o dinamismo da zona industrial da Guia, junto a Monte Redondo, no concelho de Leiria, merece “mais uma oportunidade para se apostar na requalificação da linha do Oeste, que poderia servir como canal de escoamento dos produtos”.

A pensar a médio/longo prazo, o autarca já avançou com o estudo de impacto ambiental para ser criada uma variante entre a Estrada Nacional 109 e a autoestrada 17.

“Apesar da situação difícil que se vive no país, estamos comprometidos com a concretização deste investimento, cujo estudo prévio prevemos apresentar nos próximos meses, quando todo o processo de adjudicação estiver concluído”, afirmou Nuno Maurício, representante do Grupo Lusiaves, na nota de imprensa.

Este responsável acrescentou que, além da criação de dezenas de postos de trabalho, esta unidade industrial de grande dimensão, na área da transformação, criará diversas sinergias com outras empresas do concelho.

Nuno Maurício destacou ainda “a eficiência com que o Município conduziu o processo e a atratividade que esta disponibilidade constitui para as empresas que aqui se pretendem instalar”.