Portugal regista hoje 1.247 mortes relacionadas com a covid-19, mais 16 do que na segunda-feira, e 29.432 infetados, mais 223, segundo o boletim epidemiológico divulgado hoje pela Direção Geral da Saúde.

Em comparação com os dados de segunda-feira, em que se registavam 1.231 mortos, hoje constatou-se um aumento de óbitos de 1,3%.

Relativamente ao número de casos confirmados de infeção pelo novo coronavírus (29.432), os dados da Direção-Geral da Saúde (DGS) revelam que há mais 223 casos do que na segunda-feira (29.209), representando uma subida de 0,8%.

O número de doentes internados em unidades hospitalares é de 629 (mais um), dos quais 101 (menos quatro) estão em unidades de cuidados intensivos.

Relativamente ao elevado número de doentes recuperados há apenas mais um caso nas últimas 24 horas, sendo ao dia de hoje de 6.431 os doentes recuperados. Ontem este número teve um aumento significativo, cercad de 38%, valor que a diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, explicou que se deve às instituições estarem a reportar mais.

Graça Freitas afirmou que “as instituições começaram a reportar mais, já estão mais aliviadas no seu trabalho assistencial e, portanto, começam a melhorar a informação”.

Com estes dados, explicou, vai conseguir-se caracterizar todas estas pessoas em função das idades, em que hospitais estiveram e saber quantos testes tiveram negativos para poderem ser dados como recuperados.

“Não quer dizer que já tenhamos essa estatística trabalhada”, disse Graça Freitas, explicando que muitas vezes se diz que “a informação sobre uma epidemia só se consegue saber toda no final da epidemia”, porque estão a acontecer “muitos fenómenos ao mesmo tempo”.

“Mas nós temos estes dados em bases de dados e, quando é necessário e possível, conseguimos visitar e saber exatamente que tipo de pessoas, quantos dias é que levou entre a data de diagnóstico e a data de recuperação”, sublinhou.

Ou seja, será possível perceber “todo o processo que se seguiu no acompanhamento destes doentes até ao resultado final da sua doença, uma vez que esta doença não é uma doença crónica é uma doença aguda e, portanto, tem um princípio, uma evolução e depois tem um fim”, disse Graça Freitas.

Mais de 21 pessoas estão a recuperar em casa

A região Norte é a que regista o maior número de mortos (707), seguida da região de Lisboa e Vale do Tejo (282), do Centro (227), do Algarve (15), dos Açores (15) e do Alentejo, que regista um caso, adianta o relatório da situação epidemiológica, com dados atualizados até às 24:00 de segunda-feira, mantendo-se a Região Autónoma da Madeira sem registo de óbitos.

Segundo os dados da Direção-Geral da Saúde, 640 vítimas mortais são mulheres e 607 são homens.

Das mortes registadas, 838 tinham mais de 80 anos, 243 tinham entre os 70 e os 79 anos, 112 tinham entre os 60 e 69 anos, 40 entre 50 e 59, 13 entre os 40 e os 49 e um dos doentes tinha entre 20 e 29 anos.

A recuperar em casa estão 21.125 pessoas.

Desde o dia 1 de janeiro, registaram-se 298.501 casos suspeitos, dos quais 2.349 aguardam resultado dos testes.

Há 266.720 casos em que o resultado dos testes foi negativo, refere a DGS, adiantando que o número de doentes recuperados subiu para 6.431, mais um relativamente a domingo.

A região Norte continua a registar o maior número de infeções, totalizando 16.472, seguida pela região de Lisboa e Vale do Tejo, com 8.490, da região Centro, com 3.644, do Algarve (356) e do Alentejo (245).

Os Açores registam 135 casos de covid-19 e a Madeira contabiliza 90 casos confirmados, de acordo com o boletim hoje divulgado.

A DGS regista também 25.487 contactos em vigilância pelas autoridades de saúde.

Do total de infetados, 17.228 são mulheres e 12.204 homens.

A faixa etária mais afetada pela doença é a dos 50 aos 59 anos (4.963), seguida da faixa dos 40 aos 49 anos (4.960) e das pessoas com mais de 80 anos (4.369 casos).

Há ainda 4.313 doentes com idades entre 30 e 39 anos, 3.666 entre os 20 e os 29 anos, 3.271 entre os 60 e 69 anos e 2.430 com idades entre 70 e 79 anos.

A DGS regista também 531 casos de crianças até aos nove anos e 929 de jovens com idades entre os 10 e os 19 anos.

De acordo com a DGS, 41% dos doentes positivos ao novo coronavírus apresentam como sintomas tosse, 29% febre, 21% dores musculares, 19% cefaleia, 15% fraqueza generalizada e 12% dificuldade respiratória. Esta informação refere-se a 90% dos casos confirmados.

Mais um caso positivo no concelho de Leiria

Na região há registo de mais um caso positivo de infeção pelo novo coronavírus, no concelho de Leiria, elevando para 85 os casos confirmados no concelho.

Já no doentes recuperados o número sobe de 236 para 240 nas últimas 24 horas. Três dos casos registados em Alvaiázere recuperaram e são agora seis os doentes recuperados no concelho. A outra recuperação foi confirmada em Leiria.

O número de óbitos mantém-se nos 27.

Fonte: Comissão Distrital de Proteção Civil de Leiria,
autoridades de saúde e municípios