A Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior (A3ES) aprovou, com a acreditação máxima de seis anos, um doutoramento ministrado em associação entre a Universidade do Minho e o Politécnico de Leiria, anunciou esta segunda-feira, dia 15, a instituição de ensino.

Numa nota de imprensa, o Politécnico de Leiria informou que o programa de doutoramento em Fabrico Digital Direto para as Indústrias dos Polímeros e Moldes, o primeiro desenvolvido em associação entre o Politécnico de Leiria e a Universidade do Minho, vai arrancar no ano letivo de 2020/2021 com 15 vagas e terá a duração de seis semestres.

No âmbito das comemorações dos 30 anos da Escola Superior de Tecnologia e Gestão (ESTG), em fevereiro, o presidente do Politécnico de Leiria, Rui Pedrosa, já tinha anunciado que estava em análise o primeiro doutoramento da instituição em associação com a Universidade do Minho.

Este ciclo de estudos, “fruto de uma parceria inédita no país, que, pela primeira vez, junta um politécnico e uma universidade na criação de um programa doutoral”, acaba de ser aprovado com a acreditação máxima atribuída pela Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior (A3ES), sendo válido por um período de seis anos, sublinha a nota de imprensa.

Segundo explica o Politécnico, o ciclo de estudos será ministrado na Universidade do Minho, campus de Azurém, em Guimarães, e no Politécnico de Leiria, na ESTG, envolvendo também diretamente dois centros de investigação, o IPC – Instituto de Polímeros e Compósitos da Universidade do Minho e o CDRsp – Centro para Desenvolvimento Rápido e Sustentado de Produto do Politécnico de Leiria, avaliados pela Fundação pela Ciência e a Tecnologia com ‘Muito Bom’ e ‘Excelente’, respetivamente.

As atividades letivas e de investigação serão partilhadas por professores e investigadores da Universidade do Minho e do Politécnico de Leiria.

O grau de doutor será conferido pela Universidade do Minho, no ramo de doutoramento em Ciência e Engenharia de Polímeros e Compósitos.

“A Universidade do Minho e o Politécnico de Leiria têm vindo a trabalhar de forma estreita e sistemática desde 1997. Os tópicos de interesse científico do IPC, da Escola de Engenharia da Universidade do Minho, e da ESTG e do CDRSP, do Politécnico de Leiria, cruzam-se e permitem sinergias que se têm vindo a revelar catalisadoras de novas ideias e projetos”, refere o reitor da Universidade do Minho, Rui Vieira de Castro, citado no comunicado.

Para este responsável, “a criação conjunta do programa de doutoramento permitirá multiplicar as atividades conjuntas e obter resultados científico-tecnológicos cuja transferência para as empresas contribuirá seguramente para a valorização das empresas e das regiões abrangidas por estas duas instituições de ensino superior, e terá também um efeito multiplicador ao nível nacional e internacional”.

“Este é o primeiro doutoramento em associação que envolve um politécnico e uma universidade em Portugal. É um marco histórico e um devido reconhecimento da capacidade científica do Politécnico de Leiria, da ESTG e do CDRSP”, sublinhou ainda Rui Pedrosa.

Para o presidente do Politécnico de Leiria, “este é um doutoramento de interface que será suportado pelo desenvolvimento de investigação orientada para o desenvolvimento de soluções para as empresas numa área de ponta e de futuro, a fabricação direta digital”.