A indústria portuguesa transformou-se em poucos meses “num dos principais produtores da Europa” de equipamentos de proteção individual (EPI), ascendendo a mais de 600 milhões de euros o investimento das empresas nesta área que a pandemia catalogou de indispensável.