Uma piscina inovadora foi criada pelo Instituto Superior de Engenharia de Coimbra (ISEC) e pela Vigobloco, de Ourém, destacando-se as características eco e termo-eficientes da solução que recorre a módulos pré-fabricados com materiais híbridos.

O projeto “MC-Pool: Modular Concrete Pool” beneficia ainda do facto de permitir a produção de piscinas “a baixo custo” e de instalação rápida com recurso a pouca mão-de-obra, de acordo com o ISEC, que desenvolveu a tecnologia aplicada pela empresa de Ourém.

“Conseguimos conciliar a rapidez de execução e o baixo custo com as preocupações em melhorar o comportamento térmico e em reduzir o impacto ambiental do produto final”, afirma Ricardo do Carmo, investigador e docente do ISEC envolvido no projeto.

As piscinas modulares revelam-se “eco-eficientes” devido à pré-fabricação numa solução híbrida de betão reforçado com fibras e betão com agregados leves, que permite “menor dosagem de cimento”, reduzindo a pegada ecológica.

“Em comparação com as piscinas tradicionais de betão, esta solução permite aumentar a durabilidade das paredes estruturais e conservar de forma mais eficiente a temperatura da água”, acrescenta.

A solução de construção é a mesma que está presente, por exemplo, na extensão do aeroporto de Orly, em França, obra também executada pela Vigobloco.

A facilidade de transporte dos módulos criados no âmbito do projeto “MC-Pool”, desde a fábrica até ao local de obra, permite “forte potencial de exportação”, sublinha em comunicado.

Filipe Saraiva, responsável da empresa de Ourém, realça que “a redução do desperdício de materiais e a facilidade em produzir peças iguais” torna estas piscinas modulares “muito competitivas comercialmente no mercado europeu, especialmente em Espanha e França”.