A GNR das Caldas da Rainha constituiu arguidas duas mulheres suspeitas de terem vendido madeira de uma propriedade pública como se fossem as legítimas proprietárias, o que se enquadra num crime de burla.

As mulheres, de 43 e 49 anos, foram identificadas pelo Núcleo de Investigação Criminal de Caldas da Rainha, na terça-feira, dia 28, que as constituiu arguidas ”pela prática do crime de burla qualificada, em Caldas da Rainha”.

A ação foi efetuada pelos militares da GNR no seguimento de uma investigação relacionada pelo crime de burla qualificada, ocorrida em junho de 2018.

“Nessa data as suspeitas terão vendido madeira de corte, de uma propriedade pública, tendo efetuado uma burla no valor de 7.474 euros”, explicou esta quarta-feira, 29, o Comando Territorial de Leiria da GNR em comunicado.

O processo foi remetido ao Tribunal Judicial de Alcobaça.