O ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, enalteceu esta terça-feira, dia 4, a aposta da Força Aérea Portuguesa (FAP) na energia fotovoltaica, defendendo que o país deve aumentar a sua produção de eletricidade de origem solar.

Questionado sobre a entrada em funcionamento do parque solar fotovoltaico da Base Aérea 5 (BA5), no concelho de Leiria, João Pedro Matos Fernandes reconheceu que, “apesar de Portugal ter tantas horas de sol”, a obtenção de energia a partir desta fonte “é ainda a mais incipiente” no país.

Contudo, sublinhou, “é mesmo nessa que nós mais devemos crescer para produzir eletricidade a partir de fontes renováveis”, defendeu.

O ministro do Ambiente e da Ação Climática e o seu homólogo da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho, inauguraram esta terça-feira o Parque Solar da BA5, em Monte Real.

Esta infraestrutura, situada na Serra do Porto de Urso, está ligada à rede de energia elétrica do complexo local da FAP.

É composta por 540 painéis de 370 Watt implantados numa área de 3.000 metros quadrados com o objetivo de “reforçar a sustentabilidade ambiental dessa unidade militar.

“No domínio da reciclagem dos resíduos, temos algum atraso em face das nossas metas. Na produção de energia com recurso a fontes renováveis, estamos exatamente ao contrário”, salientou João Pedro Matos Fernandes.

Portugal “tem tendencialmente uma economia cada fez mais neutra em carbono”, o que coloca o país “mesmo na linha da frente” nesta área, declarou.

Antes da sessão em Monte Real, os dois ministros assistiram a uma apresentação do Destacamento de Sistemas Aéreos não Tripulados da FAP, na Lousã, distrito de Coimbra, onde prestaram declarações aos jornalistas.