As cerimónias fúnebres de Jorge Jardim, o piloto do avião de combate a fogos que se despenhou no sábado na Galiza, realizam-se esta terça-feira, às 14 horas, no cemitério de Leiria.

Natural de Maputo, Moçambique, Jorge Jardim residia há várias décadas na cidade e desempenhou funções de diretor da escola de pilotagem e de instrutor de voo no Aero Clube de Leiria.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, anunciou esta segunda-feira que estará presente no funeral. “Tenho transmitido nos funerais das vítimas aos seus familiares aquilo que está no coração do povo português e farei o mesmo relativamente à vítima que está a ter transladada de Vigo para Leiria, não os esquecemos”, afirmou.

“Já tive ocasião de apresentar as minhas condolências, os meus sentimentos, ao Henrique, filho do piloto Jorge Jardim, que faleceu em circunstâncias dramáticas, ao serviço da comunidade”, disse ainda Marcelo Rebelo de Sousa.

O avião despenhou-se, pelas 11h20 de sábado, numa área do território espanhol, “a cerca de um, dois quilómetros da fronteira com Portugal”, disse à Lusa fonte oficial da Proteção Civil.

O piloto, de 65 anos, morreu no local, apesar das tentativas realizadas pelos elementos do Instituto Nacional de Emergência Médica, enquanto o segundo piloto, de nacionalidade espanhola e de 39 anos, foi assistido no local e transportado em “estado grave” para o Hospital de Viana do Castelo.

Em declarações ao REGIÃO DE LEIRIA, Nelson Oliveira, presidente do Aero Clube, recordou Jorge Jardim como “uma pessoa com muitos predicados” e “um homem com um coração muito grande”. “Era difícil encontrar algo que não fosse bom naquele homem, tudo o que se possa dizer acerca dele é pouco”, afirmou.

Na cerimónias fúnebres não está prevista uma ação especial do Aero Clube para homenagear o amigo e sócio n.º 457, mas “futuramente haverá ocasião para isso”, referiu Nelson Oliveira.