Se as pessoas não vão à Barrenta, vai a Barrenta às pessoas. Esse é o princípio que motiva uma verdadeira volta a Porto de Mós em concertina.

Com tantas etapas quantas são as freguesias do concelho, os 105 quilómetros são percorridos para assinalar o encontro de Concertinas que, usualmente, ocorreria na aldeia serrana, atraindo milhares de visitantes.

Ricardo Pereira, da organização, reconhece que o mais fácil seria mesmo cancelar a iniciativa. A música é, todavia, outra; para este sábado, 26, programaram uma itinerância pelas freguesias do concelho que vai garantir mais de 10 horas de música.

Começam pelas 9h30 no largo da junta do Juncal e só terminam, ao início da noite, cerca das 20 horas, no Jardim da Carreirancha, em Alqueidão da Serra.

Em cada paragem, o camião que transporta os músicos da Barrenta, funcionará como palco para uma pequena atuação de 15 a 20 minutos, realizada de acordo com as regras da DGS e do acertado com as juntas locais, refere.

Pandemia impede o usual encontro de tocadores de concertina na aldeia Foto de arquivo

“Se as pessoas não podem vir à Barrenta, vai a Barrenta às pessoas, é uma forma de dar ânimo a quem não pode estar connosco”, reforça Ricardo Pereira.

Em paralelo, pelas 17 horas, realiza-se o usual encontro de concertinas, mas em moldes bem diferentes, uma vez que decorre online.

Haverá um apresentador na Barrenta, mas o palco vai rodando pelos vários locais onde pelo menos meia centena de grupos vão atuar. São grupos que “no passado se associaram ao evento e que vão atuar nos seus locais de residência”, explica Ricardo Pereira. “Queremos agradecer o apoio prestado ao longo dos anos”, diz.