Assinar Edições Digitais


Covid-19

Covid-19: Três doentes e cinco profissionais da Medicina I testam positivo no Hospital de Leiria

Os doentes foram transferidos para a área Covid, os profissionais estão em isolamento, sob acompanhamento da autoridade de Saúde Pública

Três doentes internados e cinco profissionais de saúde do serviço de Medicina I do Hospital de Santo André (HSA), Leiria, testaram positivo para a Covid-19.

A informação foi confirmada em comunicado pelo conselho de administração do Centro Hospitalar de Leiria (CHL), esclarecendo que os três doentes, internados na ala B daquele serviço, foram testados aquando da sua alta hospitalar.

Após rastreio e testes efetuados a todos os doentes e profissionais daquele serviço, cinco colaboradores testaram também positivo.

Enquanto “os doentes foram imediatamente transferidos para a área Covid do HSA”, os profissionais encontram-se “em devido isolamento e estão a ser acompanhados pelas autoridades locais de saúde pública”, esclarece a administração hospitalar.

Face a esta situação, a presença de acompanhantes naquela ala “foi imediatamente suspensa por tempo indeterminado”, acrescenta do CHL na mesma nota, frisando que a “ala B da Medicina I continua em funcionamento, com as devidas precauções e vigilância”.

A administração hospitalar desmente contudo tratar de um surto.

Enfermeiro das Urgências testou positivo

Já na passada semana, o CHL confirmou ao REGIÃO DE LEIRIA que um enfermeiro do Serviço de Urgência do HSA testou positivo para a Covid-19 e que se encontrava de quarentena. Feita a avaliação de risco de toda a equipa por parte da Autoridade Saúde Pública, dois outros enfermeiros e dois assistentes operacionais ficaram sujeitos a isolamento profilático em casa durante 14 dias.

Segundo o CHL, o enfermeiro recorreu “por iniciativa própria à área dedicada ao Covid-19 no CHL para avaliação clínica” e realização do teste quando notou alguns sintomas que associou à doença.

“Os restantes 31 profissionais expostos mantêm a atividade profissional em vigilância passiva, ou seja, em automonitorização diária de sintomas compatíveis com o Covid-19″, nomeadamente com registo da temperatura corporal duas vezes por dia, e cumprimento de todas as outras medidas de prevenção e proteção “de acordo com os procedimentos instituídos”, acrescentou.

Da avaliação feita aos contactos do enfermeiro e eventual exposição de utentes, concluiu-se que “nenhum utente esteve em risco de exposição”, adiantou ainda o CHL.