“Para o ano temos de regressar em grande, em força”, assegura António Luís Rosa que não desanima e acredita que a tradição que é já imagem de marca do Reguengo do Fetal, vai sobreviver à interrupção forçada pela pandemia.