Assinar Edições Digitais


Futebol

Faz anos no mesmo dia de Cristiano Ronaldo e jogava com a camisola 7

Na rubrica “O que é feito de si”, conversámos com o ex-jogador leiriense Carlos Rosário.

Carlos Manuel Ferreira Carreira Rosário é natural da Caranguejeira, concelho de Leiria. Tem 58 anos e nasceu a 5 de fevereiro, no mesmo dia em que 23 anos mais tarde nascia o agora mundialmente famoso Cristiano Ronaldo.

Por coincidência, nos 15 anos em que jogou futebol, Carlos Rosário vestiu a camisola 7, tal como o internacional madeirense.

Filho de emigrantes, Carlos Rosário viajou com os pais para França, onde esteve até 1978, ano em que regressou à terra natal, com 16 anos.

Gostava de futebol e realizou alguns treinos na equipa de juvenis da União Desportiva de Leiria onde se havia de impor. Era conhecido como “francês”, fruto da sua passagem pelo estrangeiro.

Sagrou-se campeão distrital, numa equipa onde estava Luís Castro, atual treinador do Shakhtar Donetsk, que durante a formação envergava a braçadeira de capitão de equipa.

Carlos Rosário jogou durante duas épocas nos juniores de castelo ao peito, com a equipa a militar nos nacionais da categoria. Neste escalão, o médio foi à final da Taça de Honra Distrital, frente ao Atlético Marinhense, e venceu pela margem mínima (1-0).

A subida a sénior levou-o a ser emprestado ao GD Guiense, depois ao Sporting de Pombal e por fim ao At. Marinhense, então na III divisão nacional.

Esteve na Portela durante sete épocas consecutivas, com o festejo da subida à II divisão nacional. Em 1988/1989 representou o Centro Desportivo de Fátima, na III divisão nacional, e voltou ao Sporting de Pombal em 1990/1991. Viria a terminar a carreira de futebolista aos 31 anos, no Clube Desportivo da Caranguejeira, em 1993.

Durante alguns anos ainda desempenhou funções como treinador de juniores e diretor desportivo do CD Caranguejeira.

Funcionário de armazém da empresa Caiado, desde 1978, quando regressou a Portugal, conseguiu manter o futebol sempre como atividade desportiva. Cruzou-se com “excelentes treinadores, como o Velhinha, Rousseau e Vítor Manuel” e criou amizades que perduram “para toda a vida”.

Tuna Caranguejeiro