Assinar Edições Digitais


Covid-19

Covid-19: Cerca de 700 famílias do concelho de Leiria vão receber cabazes de Natal

Doações vão incluir produtos como bacalhau, azeite e bolo-rei

Cerca de 700 famílias em situação de vulnerabilidade social vão receber cabazes de Natal, numa iniciativa da Câmara de Leiria que complementa outras, para minorar o impacto social da pandemia de covid-19, foi hoje anunciado.

Numa nota de imprensa, o município liderado por Gonçalo Lopes explica que para esta ação a autarquia conta “com a parceria das juntas de freguesia do concelho, que ajudaram a identificar as famílias que vão receber os cabazes que contêm géneros alimentares necessários para uma ceia de Natal”.

Segundo a nota, “esta ação irá complementar as várias iniciativas de solidariedade implementadas” pela câmara.

A vereadora com o pelouro do Desenvolvimento Social, Ana Valentim, citada na nota de imprensa, refere que com a iniciativa se pretende garantir que as famílias “possam celebrar uma quadra tão importante como o Natal, em especial numa altura em que muitas vivenciam dificuldades económicas e sociais”.

À Lusa, Ana Valentim explicou que “este é o primeiro ano em que o município entrega cabazes, associando-se às juntas de freguesia, algumas das quais já tinham este projeto”.

“O que pedimos às juntas é que identificassem outras famílias além daquelas que já apoiam”, acrescentou, referindo que são “684 as famílias que vão ter cabazes de Natal”.

“Efetivamente nós nunca tínhamos feito esta iniciativa e, decorrente do contexto em que nos encontramos e das dificuldades que enfrentam as famílias, entendemos que era importante esta ação que é um complemento a outras iniciativas de solidariedade social que temos vindo a realizar no âmbito da mitigação do impacto social da pandemia”, continuou Ana Valentim.

A vereadora afirmou que os cabazes, a entregar na sexta-feira, vão incluir, entre outros produtos, bacalhau, azeite e bolo-rei, de forma “a que estas famílias tenham uma ceia de Natal”.

Ana Valentim reconheceu que “há mais pessoas a pedir ajuda”, situação constatada por exemplo nos pedidos de apoio no âmbito do programa de comparticipação ao arrendamento ou ao Fundo Municipal de Emergência Social.