Assinar
Cultura

Festival Artes à Vila começa sexta-feira no Mosteiro da Batalha com lotação esgotada

Houve uma corrida aos concertos e visitas guiadas desta quarta edição do festival que cruza música portuguesa e património. Sábado, os espetáculos são transmitidos online.

O Festival Artes à Vila esgotou todos os lugares disponíveis para os concertos nas Capelas Imperfeitas, no Mosteiro da Batalha, anunciou hoje a organização do evento que começa na sexta-feira.

“É fabuloso sentir que o público está ansioso por atividades culturais. Mas, por outro lado, a surpresa com a corrida aos bilhetes é comedida, porque a lotação do recinto foi reduzida por indicação da Direção Geral da Saúde – de quase 400 para perto de 100 lugares”, afirmou à agência Lusa o diretor do festival, Eduardo Jordão.

Nesta quarta edição, o programa foi praticamente todo concentrado na música e nas Capelas Imperfeitas.

Por lá vão atuar os grupos Moçoilas, Remexido, oVo Mau, a dupla Labaq e Yosune e o fadista Telmo Pires na sexta-feira, e Não Simão, Benjamim, JP Simões e Dulce Pontes no sábado.

A par dos concertos, também as visitas guiadas às gárgulas do Mosteiro da Batalha e à exposição “Almada Negreiros e o Mosteiro da Batalha – Quinze pinturas primitivas num retábulo imaginado” também estão esgotadas.

Filipe Sambado, com espetáculo anunciado para sábado, cancelou a atuação por estar em quarentena, anunciou a organização.

“É uma situação que, agora, na situação em que vivemos, faz parte do jogo, pode acontecer a qualquer hora, e temos de aprender a viver com isso”, explica o programador, lamentando a ausência do músico que “liga muito a tradição à contemporaneidade”, afinal a “pedra de toque” do Artes à Vila.

A aposta do festival tem sido “estender uma visão da música portuguesa, com uma viagem da raiz tradicional aos artistas mais contemporâneos, em simbiose com o património”.

Artes à Vila foi dos poucos festivais que resistiu em 2020, acontecendo ao vivo com transmissão “em formato televisivo de alta qualidade”.

“Este ano sentimos que tínhamos de manter esse registo de ‘livestreaming’ e sentimos que é um elemento que vai ficar para o futuro do festival”, estando certa a transmissão do segundo dia de concertos em direto no site e redes sociais do evento, como também através do canal RTP Palco.

Mas, nota Eduardo Jordão, “é fundamental ter público nas salas”, não só porque “a cultura é segura”, como “porque os artistas tocam para o público”.

“É muito importante para que os artistas sintam entusiasmo acrescido”, frisa Eduardo Jordão, que acredita ser este “o ano de consolidação do festival”, depois da evolução nas edições anteriores, em que Artes à Vila foi distinguido nos “Iberian Festival Awards” como “Melhor novo festival em Portugal” (2018/19) e “Melhor festival de pequena dimensão” (2019/20).

Programa

Sexta-feira, 25 de junho
Moçoilas trazem sons do Algarve às Capelas Imperfeitas, na abertura do festival (17h) e depois atuam os Remexido, que “mexem” vários estilos. No início da noite há comédia com os oVo Mau (20h) , antes da música que resulta do encontro latino-americano entre Labaq e Yosune. O fado de Tiago Pires fecha a noite

Sábado, 26 de junho
Não Simão viajam do cancioneiro ao rock alternativo na abertura do segundo dia (17h), também embalado pela pop analógica de Benjamim. Na sessão da noite (20h), JP Simões combina poesia e música portuguesa, antes do concerto final, no regresso de Dulce Pontes aos palcos nacionais.

Os bilhetes estão esgotados, mas como referido antes, os concertos do segundo dia (com retransmissão de momentos dos espetáculos do primeiro dia) podem ser vistos online no site e redes sociais do Artes à Vila e na RTP Palco.

Apoie o REGIÃO DE LEIRIA

Se chegou até aqui é porque este é um texto que lhe interessa. Por detrás dele há uma equipa e um conjunto de recursos que custam dinheiro e que, para continuarem a existir, precisam da sua ajuda. Gostávamos de lhe explicar como.