Assinar
Cultura

Bienal Ibérica de Património Cultural experimenta em Leiria formas de cativar jovens

Desta quinta-feira até domingo, dia 17, a cidade recebe um programa recheado de seminários, conversas, oficinas, concertos, visitas, roteiros e experiências.

A discussão e a experimentação de formas de cativar os jovens para o património é o objetivo da AR&PA – Bienal Ibérica de Património Cultural, que acontece em Leiria a partir de quinta-feira, 14 de outubro, até domingo.

A organização promete nesta edição “trazer os jovens ao palco e aos bastidores do património cultural”, procurando solução para o facto de Portugal ter “dos mais baixos índices europeus de consumo de património cultural por parte dos jovens com idade entre os 15 e os 24 anos”, segundo dados do Eurostat e da Comissão Europeia.

O problema, contudo, não se restringe aos jovens, sublinha Catarina Valença Gonçalves, da Spira, empresa organizadora da bienal.

“É um bocadinho injusto pensar que apenas os jovens portugueses é que são um grupo desapegado do património cultural. Portugal tem das mais baixas taxas de consumo de património cultural pelos seus nacionais. Os jovens só estão a repetir o que a restante população faz”, explica a responsável à agência Lusa.

A exceção são as crianças dos primeiros ciclos de ensino, porque “as escolas impõem atividades” que envolvem o património. “A partir do momento em que ganham um bocadinho de autonomia e têm possibilidade de escolha, o património cultural não é uma escolha deles”, sublinha a historiadora de arte.

Para isso concorre, por um lado, a forma “bastante maçadora para a generalidade do cidadão” como é apresentado o património cultural; por outro, museus e monumentos funcionam em horários em que “não se percebe bem como as pessoas os conseguem ir visitar”.

Além disso, “são espaços não propriamente alegres ou convidativos”.

“Ninguém de livre vontade se presta, havendo tantas outras matérias a concorrer, a este tipo de lazer – que de lazer também tem muito pouco”, defende Catarina Valença Gonçalves.

Procurando respostas para estas e outras questões, a bienal AR&PA foi pensada para que “todos se sintam bem-vindos e ninguém se sinta tonto ou menos inteligente por fazer determinada pergunta”.

A intenção é proporcionar uma “experiência mais feliz”, aplicando “o que poderia ser a estratégica a nível nacional” para captar a atenção de camadas etárias mais baixas para o património cultural.

“Olhámos para o que os miúdos valorizam”, realça a organizadora, lembrando um concurso de fotografias no Instagram, o ciclo de concertos das Património Bands, envolvendo filarmónicas em itinerância pelo património, ou os roteiros de BMX e skate, “em que, além de fazerem manobras, os miúdos são avaliados num ‘peddy-paper’ sobre património de Leiria”.

“O que falta na área do património cultural para podermos ter os miúdos connosco é estar interessados em falar a linguagem deles, em vez de dizer que são eles que têm de vir até nós”, afirma a historiadora de arte, admitindo que o tema “é um desafio enorme”.

O programa, presencial e ‘online’, contempla até um ‘workshop’ com a diretora de marketing da Música no Coração, produtora responsável pelos festivais Sudoeste e Super Rock Super Bock. “Queremos aprender com outras formas de cultura que há muito elegeram os jovens como ‘target’ essencial”, conclui Catarina Gonçalves.

Programa

Ao longo dos quatro dias da bienal, a programação dispersa-se até 17 de outubro pelo Mercado de Santana, Igreja da Misericórdia, Biblioteca Municipal, Centro Cívico, ESECS, Teatro José Lúcio da Silva, Jardim da Almuinha e um pouco por todo o centro histórico de Leiria. Fora de Leiria há atividades no Ramal Maceira-Liz (Martingança) e Museu do Vidro, circuito do futuro Museu do Molde, Ribermold e Museu Santos e Barosa (Marinha Grande).

Entre as diversas vertentes, há três seminários internacionais com workshops integrados e várias conversas sobre conservação e restauro, turismo e património internacional. Ao todo estão envolvidos 16 oradores ingleses, franceses, espanhóis e portugueses.

No Mercado de Santana concentram-se 60 expositores e lá acontecem oficinas de arqueologia, música, artesanato, conservação e restauro, técnicas tradicionais e tecnologia.

A organização preparou ainda visitas escolares, os roteiros de skate e BMX, oficinas de dança, concertos noturnos e um ciclo de arqueologia. Sábado, dia 16, são anunciados no Teatro José Lúcio da Silva os vencedores da primeira edição dos prémios Patrimonio.pt. A cerimónia tem entrada livre e começa às 19 horas.

A programação detalhada pode ser consultada online aqui.

Apoie o REGIÃO DE LEIRIA

Se chegou até aqui é porque este é um texto que lhe interessa. Por detrás dele há uma equipa e um conjunto de recursos que custam dinheiro e que, para continuarem a existir, precisam da sua ajuda. Gostávamos de lhe explicar como.