Assinar


Saúde

Porto de Mós prevê ter plano de saúde gratuito para a população no verão

“Pretende-se o acesso a cuidados de saúde a preços mais vantajosos face aos preços praticados na rede privada”, explica a Câmara.

A Câmara de Porto de Mós prevê ter um plano de saúde para a população no verão, iniciativa que visa ser um apoio para as famílias acederem a consultas e exames no privado, anunciou o presidente do município.

“O objetivo é implementar este plano ainda no verão”, afirmou à Lusa Jorge Vala.

Segundo Jorge Vala, esta iniciativa “não é para substituir médicos de família, é um complemento para as famílias, um apoio às famílias, para poderem fazer consultas ou exames de diagnóstico no privado com descontos”.

Numa informação enviada à agência Lusa, a autarquia do distrito de Leiria refere que se verifica no concelho “a ausência prolongada de médicos de família nos centros/extensões de saúde”, pelo que é necessário tomar medidas para “garantir o acesso a cuidados primários de saúde”, sendo esta uma das razões que levou o executivo a aprovar este plano.

A iniciativa contempla “descontos num conjunto de serviços prestados por entidades prestadoras de cuidados de saúde, ainda que não seja seu objetivo substituir o Serviço Nacional de Saúde, mas ser um suplemento importante e necessário para os munícipes”.

“Pretende-se o acesso a cuidados de saúde a preços mais vantajosos face aos preços praticados na rede privada”, explica a Câmara, adiantando que “o preço base estimado é de 174.022,50 euros para os anos de 2022 e 2023”.

Em 13 de janeiro último, o presidente da Câmara de Porto de Mós disse que a situação da saúde no concelho era “anormalmente grave” devido à falta de médicos, com o Agrupamento de Centros de Saúde a reconhecer então que eram necessários mais clínicos.

Uma semana depois, no dia 21, dezenas de populares concentraram-se em frente ao Centro de Saúde de Porto de Mós, num protesto contra a falta de médicos e ao qual se associaram autarcas.

Hoje, o presidente da Câmara adiantou que “o estado da saúde no concelho manteve-se inalterado, com tendência para piorar”.

“Além de não termos reforço de médicos, continuamos a ter consultas a partir de médicos com contrato que não fazem o período no Centro de Saúde de Porto de Mós entre as 17 e a 20 horas”, declarou, referindo que são as consultas nesse período que servem a população de Arrimal e Mendiga, na zona mais rural do concelho, que está “há meses sem médicos de família e que não tem forma de ser observada por médico e obter receituário”.

O concelho de Porto de Mós tem cerca de 23.200 habitantes distribuídos por 10 freguesias.

Tenha acesso ilimitado a todos os conteúdos do site e à edição semanal em formato digital.

Se já é assinante, entre com a sua conta. Entrar