Assinar
Leiria Exclusivo

Reabilitação de edifícios tradicionais: “Cimento não, muito obrigado”

Visita técnica ao prédio da antiga Pousada da Juventude de Leiria revelou vários desafios colocados a uma futura reabilitação.

Ex-pousada da juventude foi o cenário escolhido para uma “análise de anomalias”

A presidente da Associação Portuguesa para a Reabilitação Urbana e Proteção do Património (APRUPP) alertou em Leiria para a importância de efetuar inspeções prévias aos projetos e recusou o uso de cimento nas obras de recuperação de edifícios tradicionais.

O prédio devoluto da antiga Pousada da Juventude de Leiria foi o cenário escolhido para uma “análise no local de anomalias”, no seguimento de uma “sessão de abordagem às técnicas de inspeção e reabitação”, promovida no âmbito do 2º Fórum Regional Arquitetura ao Centro, organizado no fim de semana pela secção regional do centro da Ordem dos Arquitetos.

A inspeção ao edifício, localizado no Largo do Terreiro, fez-se sem recurso a instrumentos ou sondagens, porque o objetivo não era que fosse aprofundada. À vista desarmada era visível a humidade e o resultado de infiltrações de água. Após o grupo de dezenas de participantes constatar a presença de “eflorescências”, a presidente da APRUPP, Alice Tavares, desaconselhou o uso de cimento para tratar este
tipo de problemas.

“A colocação de cimento não resolve as humidades ascensionais [quando as paredes estão em contacto com a água ou com o solo húmido]. A humidade não desaparece. Ou sobe acima da cota do cimento ou provoca uma desagregação dos elementos por detrás”, explicou.

Deixar um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos relacionados

Subscreva!

Newsletters RL

Saber mais

Ao subscrever está a indicar que leu e compreendeu a nossa Política de Privacidade e Termos de uso.

Artigos de opinião relacionados