Estamos a viver tempos nunca vistos. Há um ataque invisível que ameaça toda a humanidade. Tem uma frente de guerra na Europa, em Portugal travam-se algumas das mais duras batalhas. 

 Covid-19 é o nome de guerra deste coronavírus que nos espantava quando nasceu no Oriente e foi gerando, à medida que se aproximava, primeiro algum receio e depois medo. O que era um problema de outros passou a ser a mais importante batalha da nossa vida coletiva e de cada um de nós.

Como em qualquer guerra, a contrainformação veste-se de mentiras descaradas ou dissimuladas. É uma arma letal. Começa por chamar a atenção, gera pânico, desorienta, obriga a olhar para o lado errado, faz nascer sentimentos de revolta, leva a uma ação. A mentira  pode matar.

A mentira resulta muitas vezes de uma estratégia silenciosa, própria do terrorismo, outras vezes é apenas fruto de um equívoco, uma interpretação errada, uma distração. Seja qual for a sua origem, o resultado de uma informação falsa é uma ameaça.

Nestes dias em que somos confrontados com uma pandemia que alastra como um cancro insaciável, é fundamental que as informações difundidas no espaço público sejam claras, rigorosas, éticas, verdadeiras, certificadas por profissionais e empresas experientes.

 O mais temível inimigo comum deste século, o Covid-19, tem nas notícias falsas um aliado poderoso.

A única resposta possível para combater o Covid-19 é seguir as recomendações das autoridades de saúde e, ao mesmo tempo, ignorar as fake news (notícas falsas).

Contra a desinformação, pela verdade, O REGIÃO DE LEIRIA trabalha nesta missão nobre de serviço público. Tudo faremos para informar, dizendo não à especulação e ao mediatismo. Se cada um olhar para a origem da informação, se cada um recusar a partilha fácil de factos falsos, vestidos de notícia, será mais fácil vencer a guerra que nos ameaça.

As notícias falsas são um vírus. Diga não à pandemia da mentira.


(Artigo publicado na edição de 19 de março de 2020 do REGIÃO DE LEIRIA)