Assinar
Sociedade

Ourém: Jerónimo de Sousa defende que aumento do IVA prejudica empresas

Em Ourém, o líder do PCP considerou domingo, que o aumento do IVA previsto no Orçamento do Estado para 2011 vai contribuir para a perda de competitividade das empresas portuguesas.

Em Ourém, o líder do PCP considerou domingo, que o aumento do IVA previsto no Orçamento do Estado para 2011 vai contribuir para a perda de competitividade das empresas portuguesas.

Num almoço-convívio de partidários do PCP, em Ourém, concelho de Santarém, Jerónimo de Sousa criticou as medidas de austeridade previstas pelo OE2011.

Para o secretário geral comunista, a subida do IVA vai provocar uma “divergência” com as empresas espanholas.

“As nossas pequenas e médias empresas hoje estão confrontadas com um diferencial de mais de cinco por cento do IVA, o que significa que com aplicação desta subida as empresas portuguesas perdem competitividade e produtividade”, logo ”vão à falência”, salientou Jerónimo de Sousa.

Afirmou ainda que, apesar de terem sido “os especuladores” a provocar a crise, a resposta dos Governos foi “procurar resolver a crise do sistema financeiro, encharcando com dinheiros públicos esses bancos em dificuldade”.

Referindo-se ao BPN, Jerónimo de Sousa recordou que o Estado transferiu “quatro mil milhões de euros”. Por isso, “a famigerada dívida pública alargou imediatamente” e “faltou às contas públicas o dinheiro público que foi transferido para o BPN”.

O líder do PCP referiu também que “90 por cento das receitas do Estado são pagas pelos trabalhadores, pensionistas e reformados” através das “receitas do trabalho e pequenos rendimentos”.

“Só dez cento” é pago “pelos grandes grupos económicos”, frisou.

Jerónimo de Sousa alertou ainda para uma “pior recessão” nos próximos anos, provocada pelos “especuladores dos mega bancos franceses e alemães”, que “vão buscar ao Banco Central Europeu verbas a um por cento de juro e chegam a Portugal e emprestam a 6,5 por cento”.

Para enfrentar a situação, aconselhou o Governo a apostar na exploração dos recursos que o país possui: “recursos geológicos, fileira florestal, agricultura, pescas e economia do mar”, defendeu ainda a criação da riqueza interna.

Para o secretário geral comunista, é preciso explorar a indústria. “Temos a maior mina de cobre da Europa [Neves-Corvo]- nem falo das potencialidades que temos em relação ao ouro, prata e urânio, que temos no nosso subsolo, – e não há uma indústria de transformação de cobre”, criticou.

Jerónimo de Sousa informou que há países sem minas de cobre que “possuem fortes indústrias de produção e transformação de cobre”, que recebem de Portugal.

Apoie o REGIÃO DE LEIRIA

Se chegou até aqui é porque este é um texto que lhe interessa. Por detrás dele há uma equipa e um conjunto de recursos que custam dinheiro e que, para continuarem a existir, precisam da sua ajuda. Gostávamos de lhe explicar como.