Assinar
Cantinho dos Bichos

O seu animal de estimação: comprar ou adoptar?

Antes de ponderar uma resposta a esta dúvida “existencial”, há uma certeza que convém sublinhar: nunca se deve trazer para casa um animal por impulso.

Antes de ponderar uma resposta a esta dúvida “existencial”, há uma certeza que convém sublinhar: nunca se deve trazer para casa um animal por impulso.

Primeiro importa responder a quatro questões fundamentais: tem instalações adequadas? Há estabilidade financeira para garantir cuidados médicos e alimentação? Tem tempo para assegurar afecto e exercício físico ao seu companheiro(a)? É capaz de assumir um compromisso a longo prazo para com o animal? Se a alguma destas interrogações a resposta for negativa, tire o cavalinho da chuva, porque estará a comprar ou a adoptar um problema.

Mais: a personalidade, o tamanho e o peso do animal de estimação devem assumir-se como factores de ponderação incontornáveis na selecção do seu animal de eleição. Por outro lado, deve reflectir se quer privilegiar um cão que assente como uma luva num tipo de vida familiar e caseira, ou numa vivência mais desportiva e fora de portas. É que ter um pastor alemão, um caniche, um labrador, um husky, um golden retriever, um shar pei ou um “simples”rafeiro tem diferenças assinaláveis. Assim como ter dois machos, duas fêmeas, ou um macho e uma fêmea: a rivalidade não é certamente um factor a desprezar.

E, finalmente, a resposta à pergunta original. Comprar ou adoptar? Adquirir um cão não é um crime. Contudo, a sobrepopulação, o crescente número de animais abandonados e a lotação esgotada que “habita” a esmagadora maioria dos centros de acolhimento das associações de ajuda animal e o número absurdo de mortes nos canis municipais aconselham o óbvio: a adopção, na certeza de que tem muito por onde escolher (idade, tamanho, peso, personalidade). E estará sempre a salvar uma vida.

Apoie o REGIÃO DE LEIRIA

Se chegou até aqui é porque este é um texto que lhe interessa. Por detrás dele há uma equipa e um conjunto de recursos que custam dinheiro e que, para continuarem a existir, precisam da sua ajuda. Gostávamos de lhe explicar como.