Assinar Edições Digitais
Cultura

Câmara de Leiria quer figuras de cera a contar a história de Portugal

Leiria quer contar a história de Portugal através das suas principais personagens, retratadas à maneira do famoso Madame Tussauds.

Leiria, lugar das primeiras cortes participadas por representantes do povo, quer contar a história de Portugal através das suas principais personagens, retratadas à maneira do famoso Madame Tussauds.

Localização do futuro museu será no centro de Leiria

Uma casa habitada por figuras de cera, com o nome Museu Nacional de História de Portugal, capaz de colocar a cidade nos roteiros turísticos de portugueses e estrangeiros.

Esta é, pelo menos, a visão do presidente do município, Raul Castro, que explica a ideia ao REGIÃO DE LEIRIA: seria “um museu com impacto internacional, rentável, um forte instrumento ao nível da educação”, descreve.

No quadro deste projeto, diz o autarca, a Câmara de Leiria está a trabalhar com historiadores ligados à Universidade de Coimbra e com técnicos da Escola Superior de Artes e Design, do Instituto Politécnico de Leiria, em Caldas da Rainha.

Procuram um conceito apelativo e contemporâneo, baseado em meios multimédia. Considerando “extremamente importante trazer para Leiria” um museu desta natureza, Raul Castro admite que tudo está, por enquanto, numa fase “muito embrionária”.

Mas não deixa de dizer que vê a desenhar-se “uma âncora forte para toda a região”. Em estudo segue a possibilidade de candidatura a fundos comunitários.

A localização do futuro espaço museológico passa pelo centro da cidade. E aí encaixaria numa espécie de circuito, em articulação com outros dois projetos ainda no papel: o Museu da Cidade no Convento de Santo Agostinho e o Museu de Arte Sacra no edifício onde funcionou o Distrito de Recrutamento e Mobilização (DRM).

(notícia publicada na edição de 10 de fevereiro de 2012)

CG