Assinar Edições Digitais
Mercado

Renault e Grupo PSA colocam três projetos na Marinha Grande

Componentes para novos carros da Peugeot, Citroen e Renault começam a ser produzidos na Marinha Grande a partir de setembro, na fábrica da Bourbon Automotive.

Componentes para novos carros da Peugeot, Citroen e Renault começam a ser produzidos na Marinha Grande a partir de setembro, na fábrica da Bourbon Automotive.

Renault Modus

Os três projetos, atualmente na fase de industrialização, vão dilatar as vendas da ex-Inteplástico em 600 mil euros por mês.

O volume de negócios da empresa trepará assim até aos dois milhões de euros mensais, valor em linha com o exercício anterior. Ao todo, os contratos podem valer 30 a 35 milhões ao longo de quatro a cinco anos.

Os componentes em causa são sistemas de ventilação e painéis de instrumentos de novos modelos da gama baixa das marcas Peugeot e
Citroen, também do próximo Renault Modus e ainda do substituto do C4 Picasso.

Um dos clientes é a unidade da PSA em Vigo, Espanha. Com 218 colaboradores, menos 60 do que em Outubro passado, o administrador da Bourbon Automotive, Jorge Martins, admite que o volume de emprego “pode crescer muito ligeiramente em setembro e até meados
de 2013”.

No entanto, o empresário, presidente da assembleia geral da Associação Portuguesa da Indústria de Plásticos (APIP), nota que a conjuntura não é favorável.

Até ao final do Verão, refere, “o consumo de componentes para a indústria automóvel no mercado europeu vai estabilizar em baixa, a um nível 30% abaixo do normal”.

A retração da procura ocorre num momento em que “a única vantagem que subsiste” para as empresas portuguesas do sector “é algum
tipo de mão-de-obra onde podem ser extremamente competitivas” e “a capacidade de desenvolver máquinas de auxílio à montagem”, diz Jorge Martins.